Boeing vai pagar US$ 2,5 bi para liquidar acusações de fraude sobre o 737 MAX

A Boeing concordou em pagar 2,5 bilhões de dólares para encerrar o processo em que era acusada de fraudar o governo dos Estados Unidos na época do lançamento do 737 MAX.

O julgamento apontava que a companhia teria ocultado informações sobre a aeronave, envolvida em dois acidentes fatais.

"Os trágicos acidentes da Lion Air e da Ethiopian Arilines expuseram a conduta fraudulenta de funcionários de uma das maiores fabricantes mundiais de aviões comerciais", afirma o procurador-geral David P. Burns, da Divisão Criminal do Departamento de Justiça do Texas, em comunicado.

Boeing agora descobre falhas na fuselagem de seus aviões 787

Uma falha de design na aeronave ajudou a provocar os dois acidentes em 2018 e 2019, que geraram a morte de 346 pessoas. Em seguida, vários relatórios apontaram que a empresa alterou um sistema de controle de voo, mas não explicou totalmente o que foi feito às autoridades.

"Acredito firmemente que esse acordo é a coisa certa a fazer. É uma etapa que reconhece de forma apropriada como ficamos aquém de nossos valores e expectativas", afirmou o CEO da Boeing, Dave Calhoun, aos funcionários.

Dos 2,5 bilhões de dólares, a Boeing já reservou 1,77 bilhão para reembolsar as companhias aéreas e outros clientes envolvidos com o 737 MAX.

O avião, modelo mais vendido da Boeing, ficou parado por 20 meses enquanto órgãos reguladores de diferentes países supervisionavam as mudanças no projeto para resolver os problemas revelados nas investigações anteriores.

O processo de recertificação do MAX envolveu praticamente todos os players do mercado da aviação mundial na maior junta técnica aeronáutica da história da aviação, a Joint Operators Evaluation Board ("Conselho Conjunto de Avaliação de Operadores", em inglês), que envolveu, além da própria Boeing, as companhias aéreas, a Agência Internacional de Transportes Aéreos (Iata) e agências reguladores dos Estados Unidos, Canadá, Europa, Brasil e Austrália.

O primeiro voo do 737 MAX após o fim das restrições foi feito pela American Airlines e levou 45 minutos de Dallas, Texas, para Tulsa, Oklahoma. Ocorreu semanas antes do primeiro voo comercial de passageiros, em 29 de dezembro.

No Brasil, o voo foi feito pela Gol no dia 7 de dezembro. EXAME embarcou no voo, que decolou as 11h do aeroporto de Congonhas e pousou em Confins, Minas Gerais, sem imprevistos, às 12h15.

“Este caso envia uma mensagem clara: o Departamento de Justiça responsabilizará fabricantes como a Boeing por fraudar reguladores — especialmente em setores onde os riscos são tão altos”, afirma Erin Nealy Cox, procurador do Distrito Norte do Texas.

O acordo não teve efeito significativo sobre o preço das ações da companhia, que caiu menos de 1%, para 211,26 dólares, após o fechamento do mercado em Nova York. A companhia deve apresentar seu balanço trimestral no dia 27 de janeiro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.