Negócios

Boeing e Embraer: Grupo técnico do governo deve se reunir nesta semana

Segundo fontes, grupo formado por integrantes dos ministérios da Fazenda, da Defesa e de outros órgãos discutirá avanços de negociações entre as companhias

Embraer: companhia brasileira deve ter 20% de participação na joint venture formada com a Boeing, segundo fonte (Simon Dawson/Bloomberg)

Embraer: companhia brasileira deve ter 20% de participação na joint venture formada com a Boeing, segundo fonte (Simon Dawson/Bloomberg)

R

Reuters

Publicado em 18 de junho de 2018 às 16h51.

Rio de Janeiro - As negociações entre Embraer e a norte-americana Boeing tiveram avanços nos últimos dias e uma nova reunião para tratar da criação de uma joint venture global na área de aviação deve ocorrer esta semana, disseram três fontes à Reuters.

As negociações entre as duas empresas e o governo federal, que detém direito de veto sobre decisões estratégicas da fabricante brasileira de aeronaves, visam enfrentar uma parceria em aviação comercial que deve ser concluída em julho entre a canadense Bombardier e a européia Airbus.

Um grupo técnico foi criado dentro do governo federal para estruturar a parceria entre Boeing e Embraer e conta com a participação de integrantes dos ministérios da Fazenda, Defesa e outros órgãos.

"Vamos ter uma reunião essa semana para tratar dos avanços", disse a primeira fonte próxima do assunto. A ideia é que a joint venture englobe os produtos de aviação comercial das duas empresas.

De acordo com uma segunda fonte próxima ao assunto pelo governo, a Boeing deve ficar com 80 por cento da nova empresa e a Embraer com 20 por cento. O Brasil, de acordo com esse segunda fonte, quer que os negócios na área militar da Embraer, como aviões de combate e sistemas de radar, fiquem com a empresa brasileira.

"Esse é o ponto mais importante da negociação para o Brasil e todos estão debruçados em cima disso. A ordem é manter o desenvolvimento da tecnologia no Brasil e esse é um ponto relevante", afirmou a segunda fonte. "O que está faltando é resolver a questão de pesquisa e desenvolvimento. Queremos garantir que fique no Brasil", disse a segunda fonte.

As fontes não indicaram quando a reunião vai ocorrer nesta semana ou quando um acordo poderia ser alcançado. O colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, publicou na véspera que as duas empresas devem fechar um acordo em 15 dias.

As ações da Embraer subiam 1 por cento às 15:37, horário de Brasília. Embraer e Boeing conversam desde o ano passado sobre uma eventual parceria, mas até agora não tornaram público nenhum dos termos das negociações.

Em maio, o ministro da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, disse que estava otimista com o andamento das negociações e que esperava que as empresas acertassem um acordo ainda neste ano. Na ocasião, ele afirmou que "as empresas buscam um caminho de ganha -ganha entre elas. Esse caminho está sendo encontrado", disse ele a jornalistas. "O que se busca é preservar o lado de Defesa da Embraer", adicionou.

Consultadas nesta segunda-feira, a Embraer e Boeing não se manifestaram de imediato.

Acompanhe tudo sobre:AviaçãoBoeingEmbraerGovernoJoint-ventures

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame