Boeing 737 MAX voltará a voar no fim do ano, depois de 2 acidentes fatais

American Airlines anuncia plano de retomada com modelo da fabricante americana que está sem permissão para voar desde março de 2019
 (indsey Wasson/Reuters)
(indsey Wasson/Reuters)
D
Da Redação com Reuters

Publicado em 18/10/2020 às 16:18.

Última atualização em 18/10/2020 às 16:20.

A American Airlines planeja retomar o uso de jatos Boeing 737 MAX em voos de passageiros até o fim deste ano, a depender da certificação da aeronave pela agência federal de aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), informou a companhia neste domingo, 18.

A companhia aérea disse que operará um voo diário 737 MAX entre Miami e Nova York de 29 de dezembro a 4 de janeiro de 2021, com voos disponíveis para reserva a partir de 24 de outubro.

Cerca de 400 unidades desse modelo da Boeing estão no solo, impedidos de voar por autoridades de todo o mundo, desde março de 2019, depois do segundo acidente fatal em um intervalo de seis meses. Ao todo, 346 pessoas morreram nos dois acidentes.

"Continuamos em contato com a FAA e a Boeing sobre o processo de certificação e continuaremos atualizando nossos planos com base na data de certificação da aeronave", disse a empresa em comunicado.

Neste domingo, a FAA reiterou em comunicado que não tem prazo para aprovar o retorno da aeronave ao serviço e disse que "suspenderá a ordem de manter os aviões em solo somente depois que os especialistas em segurança da FAA estiverem satisfeitos com a conclusão de que a aeronave atende aos padrões de certificação."

A FAA esperava reverter sua ordem de suspensão em meados de novembro, disseram à Reuters anteriormente fontes informadas sobre o assunto.

A American Airlines disse que avisará aos clientes que estão voando em um 737 MAX.

A FAA no início de outubro emitiu relatório preliminar sobre os procedimentos de treinamento revisados ​​para o MAX, que está aberto para comentários públicos até 2 de novembro.