Bancos propõe a fundos representação no caso Rumo-ALL

Os fundos consideram que a proposta feita pela Rumo, de R$ 10,18 por ação, não é condizente com o tamanho do ativo

Rio – Os fundos de pensão Previ (Fundo de Previdência dos Funcionários do Banco do Brasil), Funcef (da Caixa Econômica Federal) e o BRZ (que tem como cotistas Funcef, Petros, Postalis, Forluz e Valia) já receberam propostas de bancos independentes para representá-los nas negociações que envolvem a incorporação da ALL (América Latina Logística) pela Rumo, controlada pelo grupo Cosan.

Esses fundos buscam um consultor independente para estudar formas de maximizar o valor da ALL. Eles consideram que a proposta feita pela Rumo, de R$ 10,18 por ação, não é condizente com o tamanho do ativo.

Desde a semana passada, esses fundos, que fazem parte do atual bloco de controle da ferrovia, estão em conversas com bancos, conforme antecipou a reportagem. Os termos da fusão entre a ALL e a Rumo anunciados na segunda-feira, 24, não agradaram ao grupo.

O Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, apurou que os fundos de pensão Previ e Funcef e a BRZ consideram a operação como uma oferta hostil da Rumo. Eles também não se sentem representados pela Estáter, contratada pela ALL. De acordo com os fundos, a Estáter estaria mais alinhada com o BNDES e os acionistas privados da ALL. Eles se sentiram excluídos das negociações com a Cosan.

Na semana passada, os fundos começaram a conversar com bancos e pediram orçamentos. Credit Suisse, Itaú BBA e BR Partners foram consultados, segundo fontes ouvidas pela reportagem. O Broadcast apurou que orçamentos recebidos pelo grupo insatisfeito com a contratação da Estáter variam entre R$ 6 milhões e R$ 30 milhões, cifras bem abaixo do que a Estáter estaria cobrando para conduzir as negociações.


Ontem, 26, durante reunião com executivos da ALL, os fundos manifestaram-se contra a contratação da Estáter, que teria cobrado R$ 70 milhões para representar a ferrovia. A Estáter nega que seja esse o valor.

Segundo as mesmas fontes, as fundações queriam que esse valor ficasse entre US$ 5 milhões e US$ 15 milhões. No entanto, a Estáter foi confirmada como assessorar a ALL.

Voto vencido

As fundações já esperaram ser voto vencido por conta do tema ser apreciado por votação simples. De acordo com as mesmas fontes, os controladores tentaram excluir a contratação da Estáter da votação, sugerindo que as fundações fizessem diretamente uma contraproposta para a Estáter. Os fundos foram contrários e fizeram questão de votar o tema e registrar o posicionamento contrário. Postura necessária para que o caso possa ser futuramente questionando na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

“Os fundos não querem barrar a negociação, mas buscam melhorar a proposta”, afirmou uma fonte. A expectativa dos fundos é de que o preço das ações da ALL possa ficar até 40% acima do que foi proposto pela Cosan.

No comunicado ao mercado, a ALL informou que foi fixado um valor de referência às ações da companhia em R$ 6,958 bilhões (o que equivale a R$ 10,184 por ação) e as da Rumo em R$ 4 bilhões (R$ 3,90 por ação). Fontes afirmaram à reportagem que dirigentes da BRZ, que tem investimentos na Agrovia, estão questionando os contratos da ALL no transporte de açúcar.

Rumo e ALL estão em litígio desde outubro passado, mas o processo deve ser arquivado, caso o acordo entre as duas companhias saia. “A BRZ tem todo o interesse que as negociações entre Cosan e ALL não saiam. Procurado, o BRZ não retornou aos pedidos de entrevista.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.