• BVSP 118.412,32 +0,6%
  • USD 5,7261 +0,0453
  • EUR 6,8179 +0,0563
  • ABEV3 15,51 +0,98%
  • BBAS3 29,28 +0,31%
  • BBDC4 25,4 +0,79%
  • BRFS3 24,43 +1,79%
  • BRKM3 46,5 +7,22%
  • BRML3 9,84 -1,01%
  • BTOW3 62,96 +0,51%
  • CSAN3 89,8 +0,68%
  • ELET3 34,78 -1,89%
  • EMBR3 15,95 -0,06%
  • Petróleo 63,16 +0,33%
  • Ouro 1.729,00 -0,91%
  • Prata 24,77 -2,19%
  • Platina 1.173,50 -2,96%

Crédito digital para carros na classe C? Pan colhe frutos de estratégia

Banco alcança volume recorde de crédito no meio da pandemia, com R$ 2,3 bilhões na média mensal do trimestre; alta é de quase 30% na base anual

Pouco antes da pandemia, o Banco PAN acelerou a estratégia de digitalização de seu modelo de negócios. Com foco nas classes C, D e E, lançou uma conta digital completa que reforçou o apelo de sua plataforma digital para as concessões de crédito. Com a pandemia, esse processo ganhou ainda mais tração, com números impressionantes no trimestre encerrado em setembro: quase a totalidade (96% para ser mais exato) do crédito para a aquisição de veículos se deu por meio de canal digital; e 72% dos empréstimos consignados. No fim do ano passado, esses percentuais estavam em 33% e 29%, respectivamente.

O crédito originado para a compra de veículos atingiu a marca de 572 milhões de reais no trimestre, o que representou um crescimento de 61% em relação aos três meses anteriores e de 24% na comparação anual.

"Temos ótimas perspectivas de crescimento. O banco digital está ganhando escala rapidamente e a conta digital completa é um produto que nos ajuda a aumentar o cross sell (venda cruzada) e o up sell (venda de produtos mais sofisticados) de produtos e a estreitar o relacionamento com os clientes", afirmou Carlos Eduardo Guimarães, presidente do PAN (que é controlado pelo BTG Pactual, da mesma holding da EXAME).

O banco apresentou crescimento e melhoria em diferentes indicadores. A rentabilidade medida pelo ROE (retorno sobre o patrimônio) subiu de 19,9% em junho para 21,5% em setembro, embora ainda estivesse abaixo acima do patamar um ano antes (23,4%).

O lucro líquido aumentou 26% na comparação anual, para 170 milhões de reais, enquanto a originação de crédito atingiu o valor recorde de 2,3 bilhões de reais na média mensal do trimestre -- uma alta anual de 29%.

"Nós sabemos como tem valor estar próximo do cliente por meio do aplicativo. O potencial de vender um produto por meio do aplicativo é muito grande. É um investimento que fazemos para a maior diversificação (das receitas), para que possamos colher os frutos especialmente a partir do ano que vem", disse o executivo à EXAME.

Os mercados de empréstimo via cartões de crédito e para a compra de veículos, que haviam sido impactados pela pandemia, voltaram para níveis acima ao que estavam antes da pandemia. "A falta de acesso a crédito ainda é muito grande no país", disse o executivo.

A estratégia passa também por ampliar os canais de distribuição, que vão da rede física com mais de 15.000 lojas multimarcas de veículos e motos e cerca de 800 correspondentes bancários até parcerias com empresas que, por exemplo, podem originar cartões de crédito para o Pan -- é o caso da Méliuz, de cashback, e do e-commerce de sapatos Dafiti.

"Ainda temos muito espaço para crescer. Essa é parte da graça do modelo digital. Podemos ganhar muita escala para produzir mais do que temos hoje", afirmou Guimarães.

Inadimplência cai

Guimarães também explicou a queda da inadimplência de 7% para 6,7% no trimestre em casos de atrasos de pagamento superiores a 90 dias: o equivalente a 94% da carteira de crédito tem alguma espécie de garantia em caso de inadimplência, seja por meio de empréstimos consignados com servidores federais (com o salário servindo como garantia) ou para a compra de carro, em que este é dado como colateral.

No caso de empréstimos com atrasos de pagamentos acima de 15 dias até 90 dias, o índice caiu de 8,9% ao fim de junho para 7,3% ao fim de setembro, o que representou a menor taxa desde 2017.

Além disso, o presidente do PAN conta que apenas 1% da carteira de crédito do banco teve suspensão de pagamento das parcelas por causa da pandemia, uma medida que outros bancos adotaram para linhas como as do crédito imobiliário. A retomada das cobranças levou a um aumento dos atrasos de 15 a 90 dias em outros bancos.

"No fim do segundo trimestre, já tínhamos indicadores claros que mostravam a redução da inadimplência, principalmente em (crédito para) veículos. E agora esses números foram corroborados no terceiro trimestre", disse o executivo.

Segundo ele, apenas uma "parcela pequena" dos clientes que tomaram crédito para a aquisição de veículos é beneficiária do auxílio-emergencial, o que limita o potencial de impacto negativo em caso de fim do programa emergencial no próximo ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.