Balanço da Delta deve mostrar buraco provocado pela covid-19

A companhia cortou seus voos em 80% e pediu que os funcionários se oferecessem para tirar licenças não remuneradas — 30.000 aderiram
 (Larry Downing/Reuters)
(Larry Downing/Reuters)
Por Redação ExamePublicado em 09/04/2020 06:17 | Última atualização em 09/04/2020 06:38Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A pandemia da infecção respiratória covid-19 está arrasando a economia mundial, mas, como ainda não se vê o final da crise, o mercado financeiro anda com muita dificuldade de reprecificar os ativos. Divulgando nesta quinta-feira, 9, o seu balanço referente ao primeiro trimestre de 2020, a companhia aérea americana Delta deve ajudar os investidores a começar a calcular as perdas impostas pela doença.

O setor de transportes aéreos foi o primeiro a sentir o golpe, entre janeiro e fevereiro, quando a notícia de que o surto do novo coronavírus estava extrapolando as fronteiras da China e chegando à Europa. Primeiro, os viajantes começaram a cancelar suas passagens. Logo, os governos de países asiáticos, europeus e americanos começaram a barrar os voos que tinham origem em cidades chinesas.

Até que as próprias empresas suspenderam a maior parte das rotas internacionais devido à queda brusca na demanda, embora tenham adotado medidas como o bloqueio dos assentos do meio das fileiras nas aeronaves para diminuir os riscos de contaminação nas viagens.

A Delta cortou seus voos em 80%. Pediu que os funcionários se oferecessem para tirar licenças não remuneradas – 30.000 dos seus 90.000 colaboradores aderiram – e entrou no programa de socorro do governo dos Estados Unidos às companhias aéreas. Mesmo assim, calcula que está queimando 60 milhões de dólares de caixa por dia.

A Delta deve informar hoje que a sua receita caiu 7,6% de janeiro a março deste ano ante igual período de 2019, para 9,7 bilhões de dólares, segundo estimativas de mercado. O lucro de 0,96 dólar do primeiro trimestre de 2019 deve ter virado um prejuízo de 0,12 dólar. Se as projeções estiverem corretas, a queda no faturamento trimestre será a primeira em quatro anos, e o prejuízo será o primeiro em 10 trimestres.

Tradicionalmente a primeira companhia aérea a divulgar resultados trimestrais na temporada americana de balanços, servindo como referência para os investidores na bolsa de valores, os números da Delta podem desencadear uma nova queda das ações das empresas do setor.

Neste ano, os papeis da Delta caíram 61%, levando o seu valor de mercado para 14,9 bilhões de dólares. Mais depreciação é esperada. Ed Bastian, presidente da empresa, disse em comunicado aos funcionários na sexta-feira, 2, que o fundo do poço ainda está longe.