Aumento de riqueza de bilionários durante a pandemia pagaria vacina para o mundo todo

Entre 18 de março e 31 de dezembro de 2020, bilionários de todo o mundo viram sua riqueza bater US$ 3,9 trilhões

Um novo relatório publicado pela Oxfam mostrou que os bilionários recuperaram muito além de suas perdas durante a pandemia do novo coronavírus: o aumento de riqueza do grupo seria capaz de pagar pelas vacinas do mundo inteiro, além de prevenir que qualquer pessoa ficasse em condições extremas de pobreza.

"O aumento da riqueza dos 10 bilionários mais ricos desde o início da crise do coronavírus, em março, é mais do que suficiente para pagar por uma vacina contra covid-19 para todos", afirmou o relatório.

Entre 18 de março e 31 de dezembro de 2020, bilionários de todo o mundo viram sua riqueza bater US$ 3,9 trilhões. Mesmo com as perdas iniciais — como milhões de outras pessoas — o relatório afirma que eles foram capazes de recuperar o lucro ainda em novembro.

Enquanto isso, a recuperação dos mais pobres pode levar até uma década. O relatório estima que entre 200 milhões a 500 milhões de pessoas podem ter caído na pobreza em 2020.

Bilionários viram grandes ganhos durante a pandemia

Segundo informações do Business Insider, os bilionários americanos viram seu patrimônio líquido alcançar US$ 4 trilhões durante a pandemia. Em março, os 10 bilionários mais ricos possuiam uma riqueza de mais de US$ 1 trilhão — pouco mais da metade do valor do pacote de estímulo proposto pelo presidente Biden. Os ganhos ultrapassaram o custo de enviar um cheque de estímulo de US$ 3.000 para cada americano. Só nos últimos meses, 8 milhões de americanos caíram na pobreza.

A Oxfam aponta que a riqueza coletiva de bilionários ao redor do mundo é de aproximadamente 12 trilhões de dólares, "equivalente ao que os países do G20 gastaram em resposta à pandemia".

Imposto sobre a fortuna

O relatório da Oxfam apresenta "cinco passos para um mundo melhor". Um deles diz respeito ao impostos sobre fortunas, medida que tem ganhado popularidade durante a pandemia. O relatório cita o caso da Argentina, que criou um imposto único sobre os super-ricos para compra de equipamentos e suprimentos contra o coronavírus.

"A crise do coronavírus deve marcar uma virada na tributação dos indivíduos mais ricos e das grandes corporações", disse o relatório. "Devemos olhar para esta crise como o momento em que finalmente começamos a tributar os ricos de maneira justa."

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.