• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

Auditoria aponta que Ghosn gastou 11 milhões de euros para fins pessoais

Segundo relatório da Renault-Nissan, essa quantia inclui sobrecustos de passagens, doações a organizações sem fins lucrativos e despesas não especificadas
Carlos Ghosn: ex-presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi preso duas vezes no Japão, em investigação sobre seus gastos na empresa (Getty Images/Takashi Aoyama)
Carlos Ghosn: ex-presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi foi preso duas vezes no Japão, em investigação sobre seus gastos na empresa (Getty Images/Takashi Aoyama)
Por EFEPublicado em 04/06/2019 18:50 | Última atualização em 04/06/2019 18:50Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Paris - A auditoria interna da empresa holandesa Renault-Nissan BV (RNBV) identificou que 11 milhões de euros foram supostamente utilizados com fins pessoais pelo ex-presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, Carlos Ghosn.

O Conselho de Administração da Renault revelou nesta terça-feira que essa quantia inclui sobrecustos de deslocamentos de avião, doações a organizações sem fins lucrativos e outras despesas não especificadas, mas realizadas por Ghosn.

As conclusões definitivas da avaliação confirmam as "deficiências em matéria de transparência financeira e de procedimentos de controle das despesas" apontadas em abril nos resultados provisórios dessa avaliação.

Nessa data, e com base nas conclusões preliminares, o Conselho de Administração pediu para a diretoria da Renault se aproximar à Nissan para que as duas acionistas decidissem "as medidas corretivas necessárias que serão aplicadas até o final de ano".

O comunicado desta terça acrescentou que também solicitou aos representantes da Renault para que voltem a falar com a Nissan sobre "a aplicação de ações judiciais".