Após saída da Ford, índice aponta nível de confiança do industrial brasileiro

A incerteza em relação aos rumos da pandemia do novo coronavírus mantém empresários de todos os setores preocupados

Sai hoje o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), elaborado a partir de uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na semana em que a montadora americana Ford anunciou a sua saída do Brasil após 101 anos, eliminando 5 mil empregos, é bom mesmo prestar mais atenção no humor desse setor da economia.

Quer entender melhor o cenário econômico e como as mudanças de perspectiva afetam os seus investimentos? Leia as análises da EXAME Research!

À notícia do encerramento das operações da Ford, na terça-feira (11), a CNI reagiu dizendo que a decisão deve acender um alerta para todas esferas da administração pública, além do Legislativo: é vital aprovar com urgência medidas que reduzam o malfadado “custo Brasil”, começando pela reforma tributária. A montadora americana atribuiu a uma mudança de estratégia comercial o fim de sua história no país.

A CNI espera que o Produto Interno Bruto (PIB) do setor industrial suba 4,4% neste ano ante 2020, enquanto o país deve crescer 4%. Na avaliação da entidade, esse avanço depende, porém, da melhoria do ambiente de negócios.

Desde 2018 os industriais começam o ano otimistas. Em janeiro de 2020, o ICEI bateu 65,3 pontos, o nível mais alto da década. A escala vai até 100 pontos. Leituras acima de 50 pontos significam confiança; abaixo, falta de confiança. Em dezembro passado, estava em 63,1 pontos.

Neste ano, a incerteza em relação aos rumos da pandemia do novo coronavírus mantém empresários de todos os setores preocupados. A vacinação contra a covid-19 já começou em vários países e está prestes a ser iniciada no Brasil, mas não dá para prever quanto tempo vai demorar para normalizar a atividade. O risco de uma nova quarentena também não está afastado, pois o país está sofrendo com uma violenta segunda onda da covid-19. Sem os bilhões de reais do auxílio emergencial irrigando a economia, o consumo das famílias pode recuar, desincentivando as indústrias a aumentar a produção e investir – o que alavanca a economia.

Saber o que os industriais estão pensando e sentindo é importante para ajudar a traçar cenários para o ano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.