Negócios

Após comprar brasileira, empresa francesa capta R$ 3 bilhões para expandir – inclusive no Brasil

Negócio do setor de recursos humanos olha novas startups para comprar em solo brasileiro

François Boulet, cofundador e CEO da HR Path: "Brasil é um mercado estratégico para nós" (HR Path/Divulgação)

François Boulet, cofundador e CEO da HR Path: "Brasil é um mercado estratégico para nós" (HR Path/Divulgação)

Daniel Giussani
Daniel Giussani

Repórter de Negócios

Publicado em 4 de julho de 2024 às 03h00.

Última atualização em 4 de julho de 2024 às 15h09.

Administrar o departamento de recursos humanos é quase como um quebra-cabeça. Entre as pecinhas estão a gestão de ponto, do dia a dia do funcionário, da folha de pagamento e das férias e benefícios, por exemplo.

Empresas como a francesa HR Path, tentam ajudar esses setores a encaixarem peça com peça. Com um faturamento na casa do 1,1 bilhão de reais, a francesa atua com consultoria e otimização de processos de recurso humano. Não à toa, tem esse nome, que é algo como “Caminhos do RH” em português.

No Brasil, a empresa entrou no início deste ano, quando comprou a paulistana Intelligenza, uma startup que ajuda na digitalização dos processos de recursos humanos. A ideia, agora, é expandir com maior intensidade pelo Brasil.

A empresa acaba de receber um aporte de 500 milhões de euros – cerca de 3 bilhões de reais – para crescer globalmente. Parte desse valor, inclusive, virá para o Brasil.

“Essa nova rodada de financiamento ajudará a impulsionar o desenvolvimento e o crescimento da HR Path por meio de aquisições de empresas com ideias semelhantes, como a Intelligenza, e do recrutamento continuo de mão de obra qualificada e técnica do Brasil”, diz François Boulet, cofundador e CEO da HR Path.

O dinheiro está sendo aportado pela Ardian, uma das principais empresas de investimento privado do mundo.

Receba primeiro as informações de negócios e empesas e saiba tudo sobre empreendedorismo. Participe do nosso canal no WhatsApp

Qual é a meta da HR Path com o dinheiro

O principal objetivo da HR Path com o dinheiro é crescer em duas frentes: a de crescimento orgânico, que hoje está numa base de 25% ao ano, e a inorgânica, via aquisição de empresas.

Para se ter uma ideia, desde 2009, a HR Path já comprou 38 outras companhias. E o número não deve parar por aí. “O grupo atualmente explora várias possibilidades de parcerias e colaborações com players da indústria brasileira”, diz parte da nota da empresa sobre a captação de 500 milhões de euros agora.

A HR Path nasceu em 2001, em Paris, com o objetivo de fornecer consultoria tecnologia para RHs pelo mundo.

Hoje, a empresa está em 22 países, entre eles:

  • Estados Unidos
  • Canadá
  • Austrália
  • Alemanha

Por que apostar no Brasil

A francesa HR Path tem um plano já bem definido desde a aquisição da Intelligenza. A empresa quer ter força em dois mercados potenciais: o Brasil e a América Latina como um todo.

A movimentação faz sentido. A demanda por soluções inovadoras em recursos humanos fez com que as HRTechs (startups de recursos humanos) recebessem um total de US$ 1,9 bilhão em investimentos desde 2000, de acordo com o "HRTech Report 2023" do Distrito.

O relatório mostra um aumento progressivo ano a ano das HRTechs ⏤ que já somam 518 startups no Brasil. Considerando o período do estudo, entre 2000 e 2022, há um destaque para 2018, ano em que mais HRTechs foram fundadas no país, com um total de 74 startups surgindo nesse período.

“O Brasil foi identificado como um mercado emergente, não apenas pela HR Path, mas também por outras empresas globais”, diz Boulet. “É um mercado estratégico para nós”.

Acompanhe tudo sobre:StartupsVenture capital

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame