Negócios
Acompanhe:

Apenas 19% das empresas são reconhecidas como inovadoras pelo mercado, aponta levantamento

Mapa da Inovação Corporativa foi lançado nesta quarta-feira, 19, quando se celebra o Dia Nacional da Inovação

Mapa da Inovação Corporativa: empresas abertas a colaborações externas representam 23% (Dowell/Getty Images)

Mapa da Inovação Corporativa: empresas abertas a colaborações externas representam 23% (Dowell/Getty Images)

M
Marcos Bonfim

19 de outubro de 2022, 19h10

A jornada das empresas brasileiras até que transformem a inovação em elemento intrínseco ao modelo de negócios apresenta alguns desafios, é o que indica o Mapa da Inovação Corporativa.

Produzido em parceria pelas empresas de inovação Aevo e a Inventta, o mapeamento registra que apenas 19% são reconhecidas como inovadoras pelo mercado, apesar de 49% considerarem que o atributo lhes cabe.

Os dados consolidam informações repassadas por lideranças de mais de 300 companhias, distribuídas entre grande e médio portes. Os executivos responderam 70 questões sobre o estágio atual de inovação e os esforços para avançar sobre o tema.

Quais as deficiências no processo de inovação

Entre as dificuldades para inovar levantadas no estudo, está a ausência de processos. De todos os participantes, somente 7% informaram que trabalham com metodologias estruturadas e que contribuem para as iniciativas finais.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

Outros 71% não fazem uso de soluções elaboradas para gerir a inovação e há ainda 66% que mantêm os movimentos de inovação restritos a pequenos grupos, deixando de fora os potenciais insumos de colaboradores que atuam na linha de frente.

“Um processo para gestão e acompanhamento da geração, seleção e implementação de ideias, bem estruturado e funcionando bem, é o motor da inovação em uma organização”, afirma Luís Felipe Carvalho, CEO da Aevo.

O levantamento retrata ainda que os esforços direcionados à inovação encontram como principal destino a área de tecnologia, 53%, seguido por design, 28%. Iniciativas em colaboração com venture capital aparecem entre as opções, mas somente 29% das companhias afirmaram construir projetos de inovação com startups com este fim.

Como a inovação chega às companhias

Em sua primeira edição, o levantamento mostra que o mercado adota um comportamento conservador e de observação frente às tendências de inovação. No compilado, apenas 10% declararam ter posturas proativas em relação às novidades.

Para 33% das companhias, as inovações partem da liderança e, em 8%, a partir de sugestões que englobam toda a equipe.

O caminho para a inovação também encontra ressonância na observação do mercado e das demandas dos clientes em 41% das empresas brasileiras. Por outro lado, apenas em 3% das companhias reflete a análise dos processos e lacunas internas.

Qual o espaço para a colaboração externa

Em tempos de colaboração e de ecossistemas que buscam fomentar conexões para solucionar gargalos e gerar novos negócios, o mapeamento revela que essas tendências não estão no horizonte de todas as companhias.

Atualmente, 40% estão fechadas a colaborações externas com o fim de inovar e 37% consideram necessário haver um equilíbrio entre colaboração interna e externa. As empresas abertas a conexões representam 23%.

De acordo com Carvalho, o ideal é que as empresas procurem estabelecer parcerias, logo que nenhuma companhia consegue reunir todo o conhecimento necessário à inovação dentro de casa. Ele argumenta que a construção de uma rede de parceiros pode levar à integração de sistemas, participação em ecossistemas e a construção de novos modelos de negócios.

O mapa foi apresentado no Inovabra Habitat, ecossistema de inovação criado pelo Bradesco, nesta quarta, 19, data em que é celebrado o Dia Nacional da Inovação. 

A Aevo atua no mercado com uma plataforma que oferece soluções de inovação e de estratégia. Entre os clientes, conta com Ambev, 3M e MRV. A Inventta é uma consultoria e trabalha com design de estratégia e programas e treinamentos de inovação.

Leia também:

Após ouvir muitos "não", ele montou um negócio que investe R$ 115 milhões em energias renováveis

Quem é Belmiro Gomes, o ex-bóia-fria por trás do gigante do atacarejo Assaí

Ele já fez bico num lava-jato. Hoje, ergue imóveis de luxo na Bahia e tem R$ 1,5 bilhão em terrenos