Annita, um dos remédios mais vendidos do país, é testado para coronavírus

A FQM, que vende o Annita, desconhece pesquisa do governo, mas começará a testar remédio semelhante em 50 pacientes

O laboratório farmacêutico FQM Farmoquímica, que vende o medicamento Annita no Brasil, realiza desde janeiro uma pesquisa para usar o princípio ativo do remédio, a nitazoxanida, no combate ao coronavírus. A empresa diz que não tem conhecimento sobre a pesquisa anunciada ontem pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e não forneceu medicamento ao governo para a realização de testes.

O ministro Marcos Pontes afirmou ontem que um medicamento estava sendo testado pelo governo no combate à doença e que até agora os testes indicavam 94% de eficácia contra o coronavírus.

Pontes não divulgou o nome do remédio, mas especula-se que se trata do medicamento Annita. exame. apurou que a empresa chegou a ser sondada pelo governo federal, mas a conversa não evoluiu. O medicamento é um dos mais vendidos do Brasil.

A FQM realiza uma pesquisa própria sobre o uso do princípio ativo. No estudo, está desenvolvendo um medicamento que usa a nitazoxanida, mas em dose de 600 mg, mais alta do que a encontrada no remédio Annita, com 500 mg. A medicação ainda está sendo desenvolvida e não pode ser encontrada no mercado. Ela deverá começar a ser testada em pacientes com covid-19 nos próximos dias.

A meta é testar o medicamento em 50 pacientes. Os resultados mais robustos podem aparecer em três semanas. O objetivo é testar a medicação em pacientes que estejam internados, mas não em estado grave. “Uma das variáveis é verificar se o remédio consegue impedir que o quadro piore e evitar que o paciente precise da UTI”, afirma Vinicius Blum, gerente executivo da Farmoquímica e responsável pela área médica da companhia.

A nitazoxanida é usada no tratamento de vírus intestinais e protozoários. Segundo Blum, o uso do remédio tem sido considerado seguro. “No entanto, a covid-19 é uma doença nova. Seria imprudente afirmar que é um tratamento seguro. É preciso confirmar com o estudo”, afirma.

De acordo com o executivo, a nitazoxanida já foi testada com a dosagem estudada pela empresa para casos de H1N1 em seres humanos. In vitro, a dosagem já inibiu o crescimento de outros vírus como ebola, e o próprio novo coronavírus, em testes feitos em outros países. A empresa diz que ainda é cedo para divulgar dados de eficácia do medicamento in vitro.

Após a divulgação do ministro Pontes, a Anvisa incluiu hoje o medicamento na lista de substâncias controladas, tornando mais rígidas as regras para venda nas farmácias. Agora, toda prescrição do medicamento à base de nitazoxanida precisa ser feita em receita especial de duas vias.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus

Pacientes com covid-19 respondem a remdesivir, e ações da Gilead sobem

Após semanas de conflitos, Bolsonaro demite Mandetta

Câmara aprova texto-base de ampliação do auxílio de 600 reais

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.