Negócios
Acompanhe:

Amigos criam quiosque de papelaria em Brasília. Hoje, franquia lidera setor e fatura R$ 33 milhões

Franquia criada há quatro anos de olho nos concurseiros quer terminar 2022 com 110 unidades e faturar R$ 42 milhões

Igor Vendas, fundador da Magnólia: "No começo da pandemia, quando todos os shoppings fecharam, nós não tínhamos e-commerce" (Papelaria Magnólia/Divulgação)

Igor Vendas, fundador da Magnólia: "No começo da pandemia, quando todos os shoppings fecharam, nós não tínhamos e-commerce" (Papelaria Magnólia/Divulgação)

I
Isabela Rovaroto

21 de outubro de 2022, 11h13

A Magnólia Papelaria, maior franquia do segmento no Brasil, vive seu melhor momento desde sua abertura em 2018. Pela primeira vez, eles superaram o faturamento pré-pandemia. O mês de setembro registrou crescimento de 8% em relação ao mesmo período de 2019.

Assine a newsletter EMPREENDA, a nova newsletter semanal da EXAME para quem faz acontecer nas empresas brasileiras

Com quase todos os quiosques dentro de shoppings centers, a rede viu 21 unidades fecharem em dois anos de pandemia. Delivery de papelaria e loja online foram soluções desenvolvidas para os franqueados. O saldo foi positivo: 44 unidades foram abertas no mesmo período. O faturamento no último ano foi de R$ 33,6 milhões.

"No começo da pandemia, quando todos os shoppings fecharam, nós não tínhamos e-commerce. Graças a loja online nós conseguimos manter as operações e não zerar o faturamento. Criamos também cupons para os franqueados ganharem uma comissão com as vendas online", diz o sócio fundador Igor Vendas.

Empreendedores argentinos faturam R$ 300 milhões no Brasil com compra e venda de celulares usados

Como a franquia foi criada

 

Sócios da Magnólia Papelaria: Vitor Viana, Fillipe Janiques, Julia Hueb, Thiago Janiques e Igor Vendas

Sócios da Magnólia Papelaria: Vitor Viana, Fillipe Janiques, Julia Hueb, Thiago Janiques e Igor Vendas (Magnólia Papelaria/Divulgação)

Fundada por quatro empreendedores, a Magnólia Papelaria surgiu de olho nos concurseiros de Brasília. O casal Igor Vendas e Julia Hueb já conhecia o mercado de franquias. Na época, eles eram franqueados de um quiosque de vestuário. Os irmãos Fillipe e Thiago Janiques eram donos de uma marca de sorvetes em Brasília. O sócio Vitor Viana entrou no negócio seis meses depois da inauguração.

Na época, a noiva do Thiago Janiques estudava para concursos e usava cadernos e agendas para organizar os estudos, mas sentia dificuldade em achar no mercado tradicional produtos personalizados com preços acessíveis. Os sócios viram a oportunidade de levar itens de papelaria para o mercado tradicional dos shoppings centers.

A papelaria foi formatada no modelo de quiosque pela Y Consultoria e hoje oferece mais de 7 mil produtos de organização, rotina, planejamento e produtividade. Em três meses, a primeira unidade franqueada foi vendida em Goiânia, Goiás.

Empreendedora de Goiás cobra R$ 35 mil por palestra — e ganha milhões ensinando isso a outros

Os planos da rede de quiosques

 

Coleção Pink 2023 da Papelaria Magnólia

Coleção Pink 2023 da Magnólia (Papelaria Magnólia/Divulgação)

A expectativa da Magnólia é terminar 2022 com 110 unidades e faturar R$ 42 milhões. O investimento inicial da franquia é de R$ 130 mil, com estoque e taxas inclusas.

O empreendimento está de olho nos aeroportos em capitais brasileiras. Uma unidade já está prevista no aeroporto de Brasília. A meta é expandir para pelo menos 8 aeroportos em 2023.

Neste mês, a rede lançou os produtos datados de 2023. No total, a marca conta com 900 itens exclusivos. O preço dos produtos varia entre R$ 59,90 e R$ 170.

Ao chegar em SP, empreendedora nordestina foi humilhada. Hoje, comanda empresa de R$ 100 milhões