Negócios

Ambev vai investir R$ 670 mi em fábricas no Norte e Nordeste

A ampliação da produção deve-se ao crescimento nas vendas e à expectativa de maior comercialização por causa da Copa do Mundo

Fábrica em Jacareí (SP):A Ambev pretende investir R$ 2 bi até o final do ano (.)

Fábrica em Jacareí (SP):A Ambev pretende investir R$ 2 bi até o final do ano (.)

DR

Da Redação

Publicado em 10 de outubro de 2010 às 03h39.

São Paulo – A Ambev vai investir 670 milhões de reais até o final desse ano em suas fábricas e centros de distribuição direta do Norte e Nordeste. A empresa pretende ampliar entre 10% e 15% sua produção no país e, para isso, anunciou um pacote de investimentos de 2 bilhões de reais até o final do ano - do qual o atual investimento no Norte e Nordeste faz parte.

Dos R$ 670 milhões destinados para as duas regiões, 144 milhões de reais foram empregados na duplicação da filial equatorial, em São Luís, no Maranhão; e 71 milhões de reais em novas linhas de produção da fábrica de Manaus, no Amazonas. O restante será dividido entre unidades fabris e centros de distribuição direta de outros seis estados do Nordeste: Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Sergipe.

A ampliação da produção se deve ao crescimento das vendas no ano passado e nos primeiros meses de 2010, além da expectativa do aquecimento da demanda devido à Copa do Mundo da África do Sul, que será realizada no próximo mês. As regiões Norte e Nordeste foram as que obtiveram maior crescimento em vendas no primeiro trimestre deste ano, devido à maior distribuição de renda e à ampliação do poder de consumo da população brasileira, segundo a Ambev.

 

Acompanhe tudo sobre:AmbevBebidasbebidas-alcoolicasCervejasEmpresasEmpresas abertasEmpresas belgasInvestimentos de empresasRegião NordesteRegião Norte

Mais de Negócios

Cacau Show, Chilli Beans e mais: 10 franquias no modelo de contêiner a partir de R$ 30 mil

Sentimentos em dados: como a IA pode ajudar a entender e atender clientes?

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Mais na Exame