Negócios

Alok Sharma: países ricos têm plano para transferir US$ 100 bi aos pobres

Presidente da COP26, que está no Brasil, afirma que mundo precisará de trilhões de dólares de dinheiro público e privado para conter mudanças climáticas

Alok Sharma irá se reunir, entre hoje e amanhã, com autoridades do governo federal (Chris Watt/Divulgação)

Alok Sharma irá se reunir, entre hoje e amanhã, com autoridades do governo federal (Chris Watt/Divulgação)

RC

Rodrigo Caetano

Publicado em 4 de agosto de 2021 às 10h43.

Última atualização em 5 de novembro de 2021 às 13h37.

A promessa não é exatamente nova. Na realidade, o prazo até já estourou. Mas os países desenvolvidos têm um plano para transferir 100 bilhões de dólares aos países em desenvolvimento para conter as mudanças climáticas, segundo o britânico Alok Sharma, presidente da COP26, a próxima conferência do clima da ONU, que será realizada em Glasgow, na Escócia, em novembro.

Sharma está no Brasil para uma série de reuniões com empresas, cientistas, ONGs e o governo. Nesta quarta-feira, 4, ele discursou para uma plateia de governadores, prefeitos, empresários e executivos de grandes empresas comprometidos com a iniciativa Race to Zero, que demanda compromissos de descarbonização total da economia até 2050. “Vocês são meus heróis do clima”, disse Sharma, ao concluir sua fala.

Assista ao evento "Fechando o Ciclo da Ambição com a Corrida Zero no Brasil"

yt thumbnail

A maior COP desde Paris

O governo do Reino Unido está bastante empenhado em fazer da COP26, o primeiro grande evento sediado pelo país após a saída da União Europeia, um marco econômico e político. A expectativa é realmente alta. Espera-se que essa seja a conferência climática mais importante desde a de 2012, na França, que culminou na assinatura do Acordo de Paris.

A promessa de transferir os 100 bilhões de dólares para os países em desenvolvimento, por sinal, foi feita no acordo e tinha como prazo o ano passado. Por falta de entendimento sobre os mecanismos de transferência, o plano não avançou. Esse é um dos tópicos que serão tratados em Glasgow, no escopo da regulamentação do artigo 6 do Acordo de Paris, que trata da criação de um mercado global de carbono.

Conversas com o governo

Sharma irá se reunir, entre hoje e amanhã, com autoridades do governo federal. Ele destacou o compromisso feito pelo Brasil de alcançar a neutralidade em carbono até 2050 e disse que espera obter mais informações sobre isso nas conversas reservadas.

As tratativas estão mais avançadas, no entanto, com os governos municipais e estaduais. Assinaram o compromisso os governos de Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e Pará. Também estão no processo de adesão Amazonas, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso do Sul e Paraná. Esses estados representam 48% das emissões brasileiras e 50% do PIB.

Entre as cidades, fazem parte do compromisso as capitais São Paulo, Fortaleza, Curitiba, Salvador e Recife, além de Niterói (RJ), São Leopoldo (RS), Canoas (RS) e Serra Talhada (PE).

Fique por dentro das principais tendências das empresas ESG. Assine a EXAME.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Acompanhe tudo sobre:COP26Meio ambienteMudanças climáticasReino Unido

Mais de Negócios

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo por delivery: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com o Rappi

Mais na Exame