Negócios

Almoço com o maior de todos os investidores? Vai custar alguns milhões

O almoço com Warren Buffett, considerado o maior de todos os investidores do mundo, custa mais de 3 milhões de dólares

Warren Buffett: almoço com ele ocorrerá em Nova York (Rick Wilking/Reuters)

Warren Buffett: almoço com ele ocorrerá em Nova York (Rick Wilking/Reuters)

Diogo Max

Diogo Max

Publicado em 2 de junho de 2018 às 15h43.

Última atualização em 2 de junho de 2018 às 15h52.

São Paulo – Tão célebre como ir a Meca do capitalismo, isto é, Omaha, em Nebraska, nos Estados Unidos (sorry, se você pensou que era Nova York), é o almoço com Warren Buffett, considerado o maior de todos os investidores do mundo.

Neste ano, o lance vencedor foi dado por um fã anônimo, que pagou nada mais, nada menos, que 3,3 milhões de dólares, o que equivale a 12,4 milhões de reais. Por pouco, não bateu o recorde de 3,4 milhões de dólares, mas foi 700 mil dólares mais alto do que o lance do ano passado.

O vencedor poderá convidar até sete amigos para o almoço, que ocorrerá em uma churrascaria na cidade de Nova York (agora sim, a Meca dos restaurantes).

O almoço é organizado pela Glide, uma ONG de São Francisco, na Califórnia, que procura apoiar pessoas em situação de risco, e ocorre com a ajuda do eBay, onde os investidores primeiramente precisam se qualificar para dar o lance no leilão online.

Nestes 19 anos do almoço com Warren Buffett, a ONG já levantou mais de 25 milhões de dólares para realizar os serviços para pessoas de baixa renda em São Francisco. A causa, inclusive, era apoiada pela mulher do investidor, Susie Buffett. Para se ter ideia da importância desse evento para Glide, o almoço com Warren Buffett chega a ser responsável por até 10% de todo o orçamento anual da ONG.

E se você acha que esse encontro com Buffett não dá em nada, é bom rever os seus conceitos.

Um dos vencedores de um dos leilões foi Ted Weschler, ex-administrador de um fundo de hedge. Após “ganhar” o almoço por duas vezes seguidas, ele foi contratado por Buffett para – acredite – ajudar a administrar o portfólio de ações do maior de todos os investidores.

Então, fica aí a dica. Para o próximo ano, é claro.

Mais de Negócios

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Após anúncio de parceria com Aliexpress, Magalu quer trazer mais produtos dos Estados Unidos

De entregadores a donos de fábrica: irmãos faturam R$ 3 milhões com pão de queijo mineiro

Como um adolescente de 17 anos transformou um empréstimo de US$ 1 mil em uma franquia bilionária

Mais na Exame