Negócios

Receita do Alibaba no 3º trimestre fica abaixo do esperado

Pressionado pelo governo chinês, e-commerce bateu recorde de vendas durante o "Dia dos Solteiros"

Alibaba: gigante chinesa divulga resultados do trimestre (Aly Song/File Photo/Reuters)

Alibaba: gigante chinesa divulga resultados do trimestre (Aly Song/File Photo/Reuters)

Mariana Desidério

Mariana Desidério

Publicado em 18 de novembro de 2021 às 06h00.

Última atualização em 18 de novembro de 2021 às 09h20.

O Alibaba reportou nesta quinta-feira receita do segundo trimestre aquém das expectativas no mercado, uma vez que o consumo no país desacelerou e seus negócios de e-commerce foram afetados pelas restrições da cadeia de fornecimento.

No trimestre encerrado em 30 de setembro, a receita cresceu 29%, para 200,69 bilhões de iuanes (31,44 bilhões de dólares). Os analistas esperavam uma receita média de 204,93 bilhões de iuanes, segundo dados da Refinitiv.

Na semana passada, o Alibaba registrou seu crescimento mais lento nas vendas durante as compras no Dia dos Solteiros.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Há cerca de um ano, o Alibaba chegou a um valor de mercado de 850 bilhões de dólares, conquistando o posto de empresa mais valiosa da China. De lá para cá, no entanto, a empresa fundada pelo bilionário Jack Ma perdeu praticamente metade de seu valor de mercado – hoje vale 450 bilhões de dólares.

A queda está ligada a uma série de mudanças promovidas pelo governo chinês no setor privado no período. Uma das consequências foi o cancelamento da abertura de capital do Ant Group, empresa do Alibaba focada em serviços financeiros.

Também neste ano, a China aplicou uma multa recorde de 18 bilhões de iuanes (2,75 bilhões de dólares) ao Alibaba, depois que uma investigação antimonopólio descobriu que a companhia havia abusado de sua posição dominante no mercado por vários anos.

A multa indica que a fiscalização antitruste da China em plataformas de internet entrou em uma nova era após anos de abordagem "laissez-faire".

Porém, nas últimas semanas, o horizonte começou a clarear novamente para o Alibaba. No final de outubro, o fundador da companhia, Jack Ma, reapareceu na Europa, após um período longe dos holofotes, o que enviou ao mercado a mensagem de que a pressão sobre seus negócios teria arrefecido.

Algumas semanas depois, o gigante do comércio digital  bateu recorde de vendas durante o "Dia dos Solteiros", comemorado em 11 de novembro, a maior data anual de compras na China. Isso apesar de uma tímida campanha promocional, devido à pressão do governo sobre as empresas de tecnologia. A empresa anunciou vendas de 540,3 bilhões de iuanes (84,5 bilhões de dólares) durante o evento, que é similar à Black Friday.

Aproveite a nova temporada de balanços para investir! Baixe o e-book gratuito "Indicadores de valor: como ler o balanço de uma empresa"

Acompanhe tudo sobre:AlibabaChinaExame HojeJack Ma

Mais de Negócios

Morre Paulo Fernando Fleury, um dos ícones da logística empresarial no país

Franquia de sucesso: como a Domino’s transformou um empréstimo de US$ 900 em um negócio bilionário

Sob nova gestão, iFood prepara investimentos em startups e mira verticais de mercado e de benefícios

Colaboração entre Dell e Microsoft facilita a vida de empresas na gestão do ambiente multicloud

Mais na Exame