Air France-KLM tem prejuízo de 1,55 bilhão de euros

Os números foram revelados no momento em que a empresa francesa vê sua segurança questionada

Paris - A companhia aérea Air France-KLM anunciou nesta quarta-feira um prejuízo líquido de 1,55 bilhão de euros no exercício 2009/10 - o maior desde o nascimento do grupo, em 2004, da fusão das antigas empresas nacionais francesa e holandesa.

Os números foram revelados no momento em que a empresa francesa vê sua segurança questionada por um livro, um ano depois do acidente até hoje inexplicado do voo AF447 Rio-Paris.

O prejuízo no exercício concluído em 31 de março ultrapassou, também, o registrado no período anterior 2008/09 (811 milhões de euros), quando o tráfego aéreo sofreu uma forte queda.

"O ano 2009-10 permanecerá como nosso 'annus horribilis'", comentou o diretor geral do grupo franco-holandês, Pierre-Henri Gourgeon, referindo-se não apenas aos resultados, mas também ao acidente com um Airbus A330 da Air France no dia 1º de junho entre o Rio de Janeiro e Paris, no qual morrreram 228 pessoas.

Em relação à segurança, um livro de Fabrice Amedeo, jornalista do francês Le Figaro, questiona a Air France, estimando que a companhia deve conduzir uma "verdadeira revolução cultural para evitar um novo acidente do qual ela não se levantará".

A "Air France possui uma frota de aviões moderna, pilotos que estão entre os melhores do mundo... mas as estatísticas de segurança são as de uma empresa de segunda categoria", escreve o autor de "Face cachée d'Air France", A face escondida da Air France, numa tradução literal.

Assim, segundo uma classificação divulgada no livro, antes mesmo do acidente com o voo AF447, a Air France se situava na 21ª posição europeia e na 65ª mundial em relação à segurança, longe de seus dois concorrentes europeus, British Airways e Lufthansa, respectivamente no 1º e 2º lugares na Europa.

"A segurança da companhia responde aos padrões mais exigentes da indústria aeronáutica internacional", reagiu a Air France em comunicado.

"É verdade que a Air France registrou em dez anos três acidentes", a queda do Concorde em 2000 (113 mortos), a saída de pista e o incêndio de um Airbus A340 em 2005 em Toronto (cerca de 40 feridos) e o voo Rio-Paris, destaca Pierre Sparaco, da Academia do Ar e do Espaço. Mas "uma estatística baseada em três acontecimentos em dez anos não é uma estatística", explica.

A respeito das sondas Pitot (sensores de velocidade) defeituosas, consideradas uma das causas da catástrofe do voo Rio-Paris, Amedeo não hesita em destacar uma "falha coletiva", já que leva em consideração os incidentes já apontados nos instrumentos de medição da velocidade.

Segundo ele, o desastre poderia mesmo ser evitado, se a companhia tivesse equipado suas naves com o sistema de segurança "BUSS", como faz a concorrente Lufthansa desde 2008.

"A direção de material da Air France negou-se a instalar estes equipamentos, solicitados por muitos pilotos, ao argumentar que não eram confiáveis", conta.

Para o autor, vários fatores pesam no quadro geral: "gestão deficiente, ausência de uma cultura de sanção e pilotos intocáveis".

"A Air France é uma companhia onde o questionamento é estruturalmente impossível e onde, às vezes, não são adotadas decisões de senso comum".

O jornalista revela também que o pouso frustrado de 2005 em Toronto quase se reproduziu em Tóquio, na primavera de 2009, com o avião parando a 400 m da cabeceira da pista. Repetição "sintomática de uma companhia que não apreende com os próprios erros".

Porta-voz do Alter, sindicato minoritário de pilotos da Air France, Christophe Pesanti destaca que seus filiados "exigem uma reforma da segurança dos voos há 5 anos".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.