Novo teste para coronavírus dura 5 minutos e não precisa de laboratório

Aparelho pesa cerca de três quilos e pode ser transportado para qualquer lugar de assistência médica

O Abbott Laboratories está lançando um teste de coronavírus que pode dizer se alguém está infectado em cinco minutos e, de tão pequeno, pode ser levado para praticamente qualquer assistência médica.

A fabricante de dispositivos médicos planeja fornecer 50 mil testes por dia a partir de 1º de abril, disse John Frels, vice-presidente de pesquisa e desenvolvimento da Abbott Diagnostics. O teste molecular procura por fragmentos do genoma do coronavírus, que podem ser rapidamente detectados quando presentes em níveis elevados. Uma pesquisa minuciosa para descartar definitivamente uma infecção pode levar até 13 minutos, disse ele.

Os EUA têm se esforçado para fornecer testes suficientes para detectar o vírus, mesmo quando o surto ameaça sobrecarregar hospitais em Nova York, Califórnia, Washington e outras regiões. Depois de restringir inicialmente os testes a pessoas de alto risco e os problemas com os testes projetados pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, os reguladores dos EUA aceleraram os diagnósticos feitos pelas principais empresas de testes comerciais do mundo.

“Isso realmente proporcionará uma tremenda oportunidade para os profissionais de saúde de primeira linha, que precisam diagnosticar muitas infecções, para fechar a lacuna com nossos testes”, disse Frels. “Uma clínica poderá mudar esse resultado rapidamente, enquanto o paciente estiver esperando.”

A tecnologia se baseia na plataforma ID Now, da Abbott de Illinois, o ponto de teste mais comum disponível atualmente nos EUA, com mais de 18 mil unidades espalhadas por todo o país. A plataforma amplamente utilizada para detectar gripe, estreptococo e vírus sincicial respiratório, que causa sintomas do tipo resfriado.

O teste começa com a retirada de um cotonete do nariz ou da parte posterior da garganta e, em seguida, mistura-o com uma solução química que quebra o vírus e libera seu RNA. A mistura é inserida em um sistema ID Now, uma pequena caixa pesando cerca de 3 quilos que possui a tecnologia para identificar e ampliar sequências selecionadas do genoma do coronavírus e ignorar a contaminação de outros vírus.

O equipamento pode ser instalado em praticamente qualquer lugar, mas a empresa está trabalhando com seus clientes e a administração Trump para garantir que os primeiros cartuchos usados ​​para realizar os testes sejam enviados para onde eles são mais necessários. Eles têm como alvo as salas de emergência do hospital, clínicas de atendimento de urgência e consultórios médicos.

Na semana passada, o sistema m2000 RealTime, da Abbott, obteve aprovação da Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA para uso em hospitais e laboratórios moleculares para diagnosticar a infecção. Esse sistema pode realizar mais testes diariamente, até 1 milhão por semana, mas leva mais tempo para obter os resultados. A Abbott planeja fornecer pelo menos 5 milhões de testes por mês entre os dois sistemas.

Outras empresas também estão implementando sistemas de teste mais rápidos. A Henry Schein Inc. disse na quinta-feira que seu teste de anticorpos no local de atendimento, que busca evidências de que o sistema imunológico de uma pessoa já combateu a infecção, estava disponível. O exame de sangue pode ser realizado no ponto de atendimento e apresenta resultados em cerca de 15 minutos, embora não possa ser usado para diagnosticar definitivamente uma infecção atual.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.