Negócios

A startup que criou um canal para denúncias de irregularidades nos abrigos do Rio Grande do Sul

Desde 2008 no mercado, a gaúcha Contato Seguro cresceu no mercado criando plataformas para facilitar a denúncia de irregularidades em empresas

Diego Galvão, da Contato Seguro: nós estamos em 50 países atualmente e temos 2000 clientes (Contato Seguro/Divulgação)

Diego Galvão, da Contato Seguro: nós estamos em 50 países atualmente e temos 2000 clientes (Contato Seguro/Divulgação)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 3 de junho de 2024 às 09h00.

Tudo sobreNegócios em Luta RS
Saiba mais

Em pleno drama frente aos desafios provocados pelas enchentes no Rio Grande do Sul, as notícias de assédios e violência contra mulheres nos abrigos se espalharam como um dos efeitos catastróficos da situação. Os números mostram que os temporais já fizeram mais 170 mortos, dezenas de desaparecidos e mais de 600 mil desabrigados.

Agora, uma iniciativa lançada nos últimos dias procura facilitar que denúncias sobre esse tipo de abuso e outras irregularidades sejam feitas. Em parceria com a SOS RS, ação idealizada pela DOC9 e outros desenvolvedores para coordenar informações e demandas de cerca de 800 abrigos, a startup Contato Seguro implementou um canal de denúncias. 

A plataforma recebe denúncias sobre roubos, furtos e desvios de doações; situações de importunação, assédio sexual e outros comportamentos abusivos; casos de racismo, homofobia, entre outras formas de discriminação. 

Fica a cargo do denunciante a decisão de revelar o seu nome ou ficar no anonimato. Com as informações em mãos, o comitê do SOS RS define o próximo passo. Em casos mais sérios, encaminha as acusações às autoridades públicas do estado. 

“Nós recebemos o contato do CEO da Doc9, Klaus Riffel, e mobilizamos todo time de implantação e desenvolvimento. A partir daí, customizamos a plataforma e colocamos no ar em tempo recorde”, afirma Diego Galvão, CEO e um dos fundadores da Contato Seguro.

A startup também está envolvida com a iniciativa Operação de Volta Para Casa, idealizada pela Ciclo Empreendedor, Instituto Cultural Floresta e Instituto Caldeira. As três entidades estão recebendo doações para a compra de produtos como móveis, eletrodomésticos e utensílios, que serão distribuídos a pessoas que perderam os seus pertences. 

Neste caso, o Canal de Denúncias tem a missão de evitar fraudes e que pessoas que não foram afetadas pelas chuvas sejam beneficiadas de forma indevida.

As duas plataformas podem ser acessadas por navegador ou por aplicativo nos links abaixos. Registrada a denúncias, os usuários recebem um protocolo e podem acompanhar a evolução do processo.

Irregularidades nos abrigos do Rio Grande do Sul: -  https://contatoseguro.com.br/sos_rs

Fraudes em doações no Operação de Volta Para Casa: -  https://contatoseguro.com.br/devoltaparacasa

O que faz a Contato Seguro

O envolvimento da Contato Seguro com a crise e com a criação dos canais de denúncias não é à toa. Na realidade, está no centro de atuação da startup como negócio. Fundada em 2008 em Porto Alegre, a empresa tem uma base de 2000 clientes, distribuídos por cerca de 50 países, fruto de um movimento de internacionalização iniciado nos últimos anos.

Desde o nascimento, a Contato Seguro tem como modelo o desenvolvimento de canais de denúncias para empresas. No começo, com atuação centrada em grandes companhias que buscavam coibir fraudes corporativas, casos de corrupção  e práticas irregulares. 

Ao longo dos anos, outras demandas começaram a fazer parte da rotina do negócio, como questões de violência do trabalho e assédios de uma maneira geral. “Mais de 70% do nosso relacionamento hoje é com as áreas de gente e gestão, além das áreas de compliance e jurídicas que continuam demandando bastante do nosso serviço”, diz Galvão.

A mudança levou a startup a ampliar o perfil e o tamanho dos clientes atendidos, de 20 funcionários a 200 mil.

Negócios em Luta

A série de reportagens Negócios em Luta é uma iniciativa da EXAME para dar visibilidade ao empreendedorismo do Rio Grande do Sul num dos momentos mais desafiadores na história do estado. Cerca de 700 mil micro e pequenas empresas gaúchas foram impactadas pelas enchentes que assolam o estado desde o fim de abril.

São negócios de todos os setores que, de um dia para o outro, viram a água das chuvas inundar projetos de uma vida inteira. As cheias atingiram 80% da atividade econômica do estado, de acordo com estimativa da Fiergs, a Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul.

Os textos do Negócios em Luta mostram como os negócios gaúchos foram impactados pela enchente histórica e, mais do que isso, de que forma eles serão uma força vital na reconstrução do Rio Grande do Sul daqui para frente.

Acompanhe tudo sobre:StartupsRio Grande do SulNegócios em Luta RSEnchentes no RS

Mais de Negócios

Fórmula secreta? Como a Disney reinventou sua gestão financeira para continuar no topo

Depois de faturar R$ 300 milhões no Brasil, a Asper quer combater crimes digitais nos Estados Unidos

Em masterclass gratuita, Marcelo Cherto ensina o passo a passo para abrir uma franquia de sucesso

Vai um hambúrguer aí? Mania de Churrasco fatura R$ 114 milhões com lanches

Mais na Exame