A fábrica de chocolates de Gramado que fatura R$ 65 milhões e quer crescer com franquia e pegada ESG

Andreia e Aureo Romanzini estão à frente da DeCacau, fábrica de chocolates com alta concentração de cacau que aposta numa expansão nacional com a venda de produtos a granel
Aureo e Andreia Romanzini, da DeCacau Chocolates: modelo de franquias está sendo considerado pelo sócios para acelerar a presença física da DeCacau, que espera receita de 80 milhões de reais em 2023 (Isadora Jacoby/Divulgação)
Aureo e Andreia Romanzini, da DeCacau Chocolates: modelo de franquias está sendo considerado pelo sócios para acelerar a presença física da DeCacau, que espera receita de 80 milhões de reais em 2023 (Isadora Jacoby/Divulgação)
Leo Branco
Leo Branco

Publicado em 15/09/2022 às 17:14.

Última atualização em 16/09/2022 às 08:25.

O avanço da agenda ESG tem feito muita gente questionar a necessidade de tanto plástico nas embalagens dos produtos.

Vide o sucesso de marcas de cosméticos em barra como a paulistana B.O.B, queridinha entre jovens com alguma preocupação ambiental e destino de uma rodada de investimento em janeiro deste ano pelo multi family office GHT4, de Laércio Cosentino (Totvs), entre outros.

Antes de o tema entrar na conversa de consumidores e de investidores, os empreendedores gaúchos Andreia e Aureo Romanzini já tinham em mente a ideia de vender produtos com embalagens feitas sem muito impacto ambiental.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio!

O que faz a DeCacau

Os irmãos Romanzini são fundadores da DeCacau Chocolates, uma fábrica de chocolates aberta há 37 anos em Flores da Cunha, município de 30.000 habitantes encravado na serra gaúcha.

O embrião do negócio foi a demanda de fábricas da região por chocolates caseiros como brindes para funcionários em ocasiões especiais, como Páscoa ou fim do ano.

De lá para cá, a DeCacau virou um negócio com faturamento de 65 milhões de reais previsto para 2022 e uma presença nacional.

Por trás da expansão, estão três fatores:

  • Na última década, a DeCacau passou a fabricar ovos de Páscoa vendidos nas 164 lojas da varejista catarinense Havan, presente em 20 estados. Além da Havan, nos últimos anos a DeCacau passou a produzir chocolates com a marca de outros clientes.
  • Uma presença física em Gramado, principal atração da serra gaúcha e terra com tradição de sediar fábricas de chocolates caseiros. "O boca a boca entre turistas que experimentaram a DeCacau por ali serviu de propaganda gratuita para a empresa em outros estados", diz Andreia. Hoje, a comunicação visual da empresa leva a palavra "Gramado" para reforçar a identificação regional.
  • O investimento numa cadeia própria de cultivo de cacau em fazendas certificadas pela DeCacau nos arredores de Ilhéus, no sul da Bahia. Feita há seis anos, a medida garantiu a oferta de grãos de qualidade superior, algo muito difícil de conseguir de bate pronto com atravessadores.
Barra de chocolate_DeCacau

Antes de o tema entrar na conversa de consumidores e de investidores, DeCacau aposta em embalagens feitas sem muito impacto ambiental (Divulgação/Divulgação)

Os planos da empresa

Com isso, foi possível investir em linhas de chocolates com percentuais altos de cacau — uma delas tem 85%.

"Todos os chocolates são produzidos com matérias-primas selecionadas e cacaus com certificação de origem, adquiridos diretamente de fazendas da Bahia, que utilizam tecnologia e adubagem correta, o que faz o cacau render mais", diz Aureo.

Com os três pilares resolvidos, a marca resolveu investir numa expansão com marca própria.

De 2020 para cá, foram oito lojas abertas pela própria DeCacau, boa parte delas localizadas junto a unidades da Havan no interior paulista. Além de São Paulo, a empresa está hoje presente em cidades do interior gaúcho.

Nas lojas, o diferencial: a maioria dos produtos vêm a granel, sem embalagens.

Um exemplo é a linha Bean to Bar, feita sem conservantes em sua formulação.

Em outras linhas de produtos, com embalagens, os chocolates são envoltos em materiais de fontes renováveis.

"Nosso método de produção é a partir das amêndoas de cacau, diferente do método comum que utiliza a massa de cacau com grãos já torrados e moídos", diz Aureo. "Garantimos um produto mais natural."

Como parte do plano de crescimento, a previsão até o final do ano é abrir um centro de distribuição em Araraquara, no interior paulista, e expandir para Santa Catarina e Paraná.

Um modelo de franquias está sendo considerado pelo sócios para acelerar a presença física da DeCacau, que espera receita de 80 milhões de reais em 2023.

"Queremos inserir a marca entre as cinco maiores indústrias de chocolates do Brasil até 2027", diz Aureo.

VEJA TAMBÉM:

Chocolates Brasil Cacau lança plataforma e dá desconto na linha Brasilidades

Vinho harmoniza com chocolate? Philippe Rothschild indica os melhores rótulos

Empreendedora faz sucesso com chocolate "from Amazônia" para o mundo