Negócios

A empresa dele pagou R$ 10 milhões para antecipar os pagamentos de cartão de crédito a vendedores

A EntrePay fez a aquisição da Wise Money querendo ampliar o serviço de antecipação de crédito para quem usa máquina de cartão de crédito

Antonio Freixo, da EntrePay: empresa faturou 200 milhões de reais em 2022 e quer ampliar com novo serviço de empréstimo (EntrePay/Divulgação)

Antonio Freixo, da EntrePay: empresa faturou 200 milhões de reais em 2022 e quer ampliar com novo serviço de empréstimo (EntrePay/Divulgação)

Daniel Giussani
Daniel Giussani

Repórter de Negócios

Publicado em 20 de julho de 2023 às 18h49.

Última atualização em 3 de agosto de 2023 às 17h12.

Empresa que fornece a tecnologia de processamento de pagamento para maquininhas de cartão de crédito, a EntrePay quer ampliar um outro serviço, o de antecipar o crédito aos vendedores. Até agora, o negócio, criado há 10 anos, oferecia isso em duas modalidades: por empréstimo em bancos ou pelos fundos de investimento em direitos creditórios, os FIDCs. Agora, investiu 10 milhões de reais para comprar a Wise Money, uma startup que permite a negociação dos recebíveis diretamente entre o vendedor e o investidor. 

Funciona assim: imagine que você é dono de uma loja de varejo de eletrodomésticos, e vende com cartão de crédito. Na sua carteira dos próximos dois meses, estão para entrar 5.000 reais vendidos por crédito. Caso você precise antecipar esse valor, poderá usar a ferramenta da Wise Money e negociar esses recebíveis com um investidor. Ele compra o crédito, e te paga o montante com um deságio, que varia conforme o risco do crédito, rentabilizando na diferença.

“Nós temos hoje uma base na EntrePay de clientes comerciais que necessitam fluxo de caixa, precisam tomar recursos”, afirma Antonio Freixo, CEO da EntrePay. “Ele entra na plataforma que adquirimos, disponibiliza sua carteira de recebíveis, e montamos uma operação para o investidor comprar”. 

Com a aquisição, a Wise Money passa a se chamar Wealth Money. A plataforma funcionará para quem usa as maquininhas com a tecnologia da EntrePay ou para qualquer outro comerciante que vende a crédito. Três dos quatro fundadores do negócio seguirão na empresa, em cargos executivos. 

Como funciona o P2P

No mercado de empréstimos P2P, plataformas como a Wealth Money fazem a ponte entre quem tem dinheiro para emprestar e quem quer pegar emprestado. A pessoa que quer pegar emprestado coloca seus recebíveis à disposição. Eles são transformados em operações para investidores, que compram diretamente pela plataforma da Wealth Money. 

Um dos objetivos com essa modalidade é disponibilizar crédito para tomadores que não precisam de grandes montantes. Tanto é que as operações começam em 150 reais, com uma média de 3 a 5 mil reais. 

Qual a meta da EntrePay comprando a Wealth Money

Essa modalidade de empréstimo é chamada de P2P (entre pares, na tradução livre). Ela é relativamente nova no Brasil e foi regulamentada em 2018. A estimativa é que o mercado brasileiro de crédito nessa categoria hoje seja de 3 bilhões de reais, operados por cerca de 15 empresas. 

Olhando para esses números, a EntrePay espera alavancar os empréstimos pela Wealth Money. De dezembro de 2020, quando a startup começou a operar, até 2022, a empresa havia intermediado 12 milhões de reais em empréstimos. 

“Até o fim deste ano, a meta é passar dos 100 milhões de reais”, diz Freixo.

Nos planos estão a entrada no segmento de pequenas e médias empresas e uma série de lançamentos, como uma plataforma para que assessores de investimentos possam recomendar o P2P da Wealth Money e um sistema para que os clientes possam investir via WhatsApp.

Quem é a EntrePay

A EntrePay foi criada há 10 anos para ser o braço da Global Payments no Brasil. Em 2021, foi adquirida pelo grupo Entre Investimentos. Ela fornece a tecnologia que permite o processamento das compras no cartão de crédito. Na prática, conecta o cartão físico aos servidores dos bancos e valida as transações. 

No ano passado, faturou 200 milhões de reais. 

Acompanhe tudo sobre:Fusões e AquisiçõesStartupsCartões de crédito

Mais de Negócios

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo por delivery: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com o Rappi

Mais na Exame