Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:
seloNegócios

Mesmo sem chegar à meta dos R$ 5 bilhões, BRF encerra venda de ativos

Companhia anunciou hoje a venda de suas plantas na Europa e na Tailândia para a Tyson por 340 milhões de dólares

Modo escuro

Continua após a publicidade
BRF: empresa tenta derrubar vetos a exportação em momento crítico  / Divulgação (BRF/Divulgação)

BRF: empresa tenta derrubar vetos a exportação em momento crítico / Divulgação (BRF/Divulgação)

M
Mariana Desidério

Publicado em 7 de fevereiro de 2019 às, 10h54.

Última atualização em 7 de fevereiro de 2019 às, 12h21.

A fabricante de alimentos BRF continua sua luta para pagar dívidas e voltar a entregar resultados aos investidores. Mas anunciou que, pelo menos por enquanto, não vai mais vender ativos. A companhia divulgou hoje a venda de suas fábricas de processamento de alimentos e abate de aves na Europa e na Tailândia para a Tyson, por 340 milhões de dólares. A conclusão do negócio ainda depende de autorização das autoridades regulatórias.

A operação encerra o processo de desinvestimentos anunciado em junho do ano passado pela empresa, que amarga um longo inverno. O plano também incluía a venda de ativos na Argentina, ativos imobiliários, redução de estoques e a obtenção de recursos via FIDC (fundo de investimento em direitos creditórios).

A meta inicial era conseguir 5 bilhões de reais com os desinvestimentos. Só que as vendas não tiveram o resultado que a companhia esperava. Com as fábricas na Europa e na Tailândia, o valor total arrecadado fica em 4,1 bilhões de reais. Com isso, as metas de desalavancagem (relação entre a dívida e os resultados da empresa) deverão ser atrasadas em seis meses.

"Em função de circunstâncias adversas na Argentina e na Europa, em especial no Reino Unido, por conta do Brexit, os valores estimados no início do processo não se concretizaram. As circunstâncias mudaram e se mostraram piores", disse o presidente da companhia Pedro Parente, em teleconferência com a imprensa. Com a venda, a companhia estima que a alavancagem ficará em torno de 5 vezes no quarto trimestre de 2018, chegando a 3,65 vezes no quarto trimestre de 2019. 

Mesmo assim, Parente afirmou que não pretende vender mais nada. “Menos 900 milhões de reais significa uma dívida maior e uma alavancagem maior. Mas acreditamos que esse impacto é gerenciável. Chegamos a considerar a hipótese de desmobilizar outros ativos para manter nossa meta inicial. Mas, como conseguimos colocar a dívida em trajetória declinante, decidimos não fazer isso, pois os ativos que poderiam ser vendidos são estratégicos e têm potencial de gerar margens importantes no futuro”, disse o executivo.

Melhores margens

Em vez de queimar patrimônio, a produtora de frangos agora vai focar esforços em melhorar o perfil da sua dívida e aumentar suas margens. A meta no longo prazo é chegar a uma alavancagem e 1,5 a 2 vezes – os executivos não indicaram uma data para isso.

Na primeira frente, a companhia espera avançar com a chegada do novo vice-presidente financeiro e de relações com investidores, Ivan Monteiro. Ex-presidente da Petrobras (assim como Parente), Monteiro é conhecido por sua experiência em gestão de perfil de dívida.

Para levantar as margens, a BRF aposta em melhorar seus processos. Há potencial de melhoria de eficiência de 30%, segundo Parente. “Encontramos situações em que o mesmo processo era feito de oito formas diferentes nas plantas”, exemplifica o executivo.

A companhia também aposta na expansão de sua presença na Ásia e no mercado halal, nome dado aos alimentos que seguem os preceitos islâmicos. “Nesse sentido, é importante o trabalho das autoridades brasileiras em listar mais plantas [aptas para atuar com o mercado halal]”, destacou Parente. Dentre os países prioritários para a BRF no momento estão Arábia Saudita e Turquia.

No mês passado, a Arábia Saudita decidiu desautorizar a importação de carne de frango de cinco frigoríficos brasileiros, sendo duas plantas da BRF. O episódio foi considerado uma retaliação daquele país, como resultado da sinalização do governo brasileiro de querer mudar a embaixada em Israel para Jerusalém. A BRF afirmou que o impacto da restrição é limitado e que deve retomar o ritmo anterior de exportações para o país em no máximo três meses.

Outras vendas

A venda anunciada hoje encerra o processo iniciado no ano passado para reduzir a dívida da companhia. No dia 10 de janeiro, a companhia anunciou a conclusão da venda de seus ativos na Argentina com a venda da subsidiária Campo Austral, uma das líderes na produção de alimentos à base de suínos, por 131 milhões de reais. Antes disso, no dia 19 de dezembro, já havia anunciado a venda da Avex, também na Argentina, por 50 milhões de reais. 

No dia 7 de dezembro, vendeu a argentina QuickFood para a Marfrig por 60 milhões de dólares. O acordo envolveu ainda venda de terreno e equipamento de fábrica da BRF em Várzea Grande (MT) por 100 milhões de reais.

Além disso, a BRF montou um fundo de investimento em direitos creditórios (Fidc), que conseguiu distribuição inicial de 875 milhões de reais em cotas. O Fidc tem como objetivo adquirir direitos creditórios originados de operações comerciais realizadas com clientes no Brasil, ou seja, a venda definitiva de recebíveis.

A companhia, que teve prejuízo de 1 bilhão de reais em 2017 e estava envolvida na Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, tem um plano lento mas sóbrio de recuperação. Pedro Parente, presidente do conselho de administração, assumiu o comando da empresa em abril e apresentou em outubro um plano quinquenal de recuperação.

A expectativa é que a companhia comece a reverter a queda nas margens em 2019. A nova gestão frisa que o ritmo de avanço projetado é o possível pela complexidade da operação e pela quantidade de problemas que a BRF ainda enfrenta.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Experience Awards certifica as marcas referência em CX em sete setores. Veja quais são

seloNegócios

Experience Awards certifica as marcas referência em CX em sete setores. Veja quais são

Há 6 horas

O (premiado) negócio milionário de queijo de SC criado pelos fundadores da Eisenbahn

seloNegócios

O (premiado) negócio milionário de queijo de SC criado pelos fundadores da Eisenbahn

Há 7 horas

Fini dobra de tamanho e investe R$ 350 milhões em nova linha de produção no Brasil

seloNegócios

Fini dobra de tamanho e investe R$ 350 milhões em nova linha de produção no Brasil

Há 9 horas

Como ficou o trabalho aos domingos e feriados, após as novas portarias do MTE? O que muda para 2024?

seloNegócios

Como ficou o trabalho aos domingos e feriados, após as novas portarias do MTE? O que muda para 2024?

Há 9 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com copos de plástico reciclado coletado no litoral brasileiro, Corona estreia no Primavera Sound

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Com itens personalizados, Tramontina usa expertise para aproveitar alta dos presentes de fim de ano

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Suvinil investe para criar embalagens e produtos mais sustentáveis

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Inovação em nuvem e IA: a aposta da Huawei Cloud para o Brasil

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais