5 razões que levaram a dona do BlackBerry ao caos em 2012

Após sete anos no azul, RIM registrou seu primeiro prejuízo trimestral, perdeu executivos estratégicos e agora corre o risco de ser colocada à venda

São Paulo – Na última semana, a Research In Motion (RIM), fabricante do BlackBerry, anunciou seu primeiro prejuízo trimestral, após sete anos operando no  azul. No último trimestre fiscal, que encerrou em março deste ano, a companhia somou perdas de 125 milhões de dólares, – montante muito maior do que o esperado pelo mercado.

Como se não bastasse o resultado financeiro desastroso, executivos da casa, como Jim Balsillie, vice-presidente da companhia, um dos responsáveis por aumentar a rentabilidade da RIM nos últimos anos, Jim Rowan, diretor de operações e David Yach, diretor de tecnologia,  pediram demissão perante o cenário desafiador que a companhia tende a enfrentar daqui para frente.  

Thorsten Heins, presidente da RIM desde janeiro, chegou a afirmar em teleconferência com analista, na última semana, que a companhia enfrenta problemas profundos e não descartaria, inclusive, a venda dela, mesmo não sendo essa a primeira opção.

Veja, a seguir, cinco razões que culminaram no prejuízo da RIM:

Perda de mercado no Canadá

O Canadá, berço da RIM, sempre foi o principal mercado de atuação da companhia, até mesmo por conta das parcerias que a empresa mantém com o governo.

No ano passado, no entanto, pela primeira vez na história a venda de iPhone foi maior na região do que a de BlackBerry.

Segundo dados compilados pela agência Bloomberg, em 2011, foram vendidos 2,8 milhões de iPhone contra 2,08 milhões de BlackBerry no país.

Disputa acirrada com Apple e outros celulares com sistema Android

Não é só no Canadá que a RIM vem perdendo mercado para a Apple. As vendas da companhia no último trimestre caíram mais de 20% na comparação com o mesmo período anterior no mundo.


Além da Apple, o BlackBarry vem também perdendo espaço para outros celulares que utilizam o sistema Android.

Falha no sistema

Em outubro do ano passado, usuários do smartphone BlackBerry em diferentes partes do mundo ficaram dias sem os serviços de envio de mensagem e navegação.  Isso porque, houve uma falha em um computador localizado no núcleo da rede. 

Na ocasião, a RIM pediu desculpas publicamente pelo ocorrido, mas não foi suficiente para que analistsa desse mercado avaliassem a falha, mesmo que pontual, como um tiro no pé da própria companhia.

Com o ocorrido, a RIM corroborou o mau momento que já vinha vivendo. 

Foco em clientes corporativos

A RIM sempre deixou claro que um dos principais negócios da companhia era investir em clientes corporativos. Deixando de lado usuários comuns. A estratégia por algum tempo foi acertada dentro da companhia, prova disso, foram os lucros milionários que ela somou nos últimos anos.

Com a chegada do iPhone, no entanto, em 2007, os aparelhos BlackBerrys começaram a disputar com os aparelhos da Apple, que atendem muito bem o mercado corporativo e outros tipos de consumidores.

Heins, presidente da RIM, afirmou, recentemente, que a estratégia não será deixada de lado e que o foco da companhia é ainda usuários corporativos.

Tablets nada atrativos

Em 2011, a RIM estreou em um novo segmento do mercado: o de tablets, mas não foi bem sucedida.

Além do aparelho não apresentar algumas funcionalidades, como conexão 3G, o preço também não é competitivo. Um tablet da Rim custa o equivalente a um iPad da Apple.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também