Zelensky, Erdogan e Guterres vão se reunir na quinta na Ucrânia

Reunião é para examinar a implementação do acordo internacional assinado em Istambul em julho para permitir as exportações de cereais da Ucrânia
Na sexta-feira, Guterres irá para Odessa, um dos três portos ucranianos (Sergei SUPINSKY/Getty Images)
Na sexta-feira, Guterres irá para Odessa, um dos três portos ucranianos (Sergei SUPINSKY/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 16/08/2022 às 15:23.

Última atualização em 16/08/2022 às 17:01.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, viajará na quinta-feira, 18, para a Ucrânia, onde participará de uma reunião com os presidentes do país, Volodimir Zelensky, e da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou seu porta-voz nesta terça-feira, 16.

"Por convite do presidente Volodimir Zelensky, o secretário-geral estará em Lviv na quinta-feira para participar de uma reunião trilateral com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e o líder ucraniano", disse Stéphane Dujarric em coletiva de imprensa.

Leia também: Putin acusa EUA de tentar "prolongar" o conflito na Ucrânia e "desestabilizar" o mundo

Na reunião, eles "examinarão" a implementação do acordo internacional assinado em Istambul em julho para permitir as exportações de cereais da Ucrânia, "no qual a Turquia é um elemento-chave", acrescentou.

"Uma série de questões serão levantadas em geral, como a necessidade de uma solução política para o conflito. Não tenho dúvidas de que a questão da usina nuclear [em Zaporizhzhia] e outras também serão discutidas", disse Dujarric, especificando que haverá também uma reunião bilateral entre o presidente ucraniano e o secretário-geral.

Na sexta-feira, Guterres irá para Odessa, um dos três portos ucranianos utilizados no âmbito do acordo internacional, que já permitiu a saída de 21 navios carregados de milho e trigo.

O chefe da ONU encerrará esta viagem no sábado em Istambul para visitar o Centro de Coordenação Conjunta (JCC) encarregado de supervisionar o acordo.

Veja também: 

EUA testa míssil intercontinental em meio a tensões com a China

Exército russo anuncia explosão de munições em base russa na Crimeia