A página inicial está de cara nova Experimentar close button

'Violência em Londres foi oportunismo criminoso', diz professor de Cambridge

Sociólogo britânico diz que morte de Mark Duggan teve pouco a ver com violência no Reino Unido, e que o primeiro-ministro não tem força política para resolver o problema sozinho

São Paulo – Embora a imprensa internacional tenha acompanhado de perto a onda de protestos no Reino Unido, pouco se falou sobre quem são os manifestantes e as causas da violência. Para o sociólogo da Universidade de Cambridge, Robert Blackburn, a morte de Mark Duggan foi apenas um pretexto para as manifestações.

Segundo ele, os saques aconteceram principalmente porque os manifestantes, em sua maioria jovens negros e pobres, perceberam que poderiam fazê-los. “Foi um caso de oportunismo criminoso”, diz Blackburn.

Ainda de acordo com o professor, embora o primeiro-ministro britânico, David Cameron, tenha feito declarações e promessas enfáticas de ação contra a violência, ele não tem força política para agir sozinho. “Isto requer uma ação em conjunto”, afirma.

Robert Blackburn é professor emérito do departamento de Sociologia do Clare College, Universidade de Cambridge. Ele foi diretor do Grupo de Pesquisas em Ciência Social da instituição. É especialista em análise das desigualdades sociais e sociologia do trabalho. Confira abaixo a entrevista que Blackburn concedeu a EXAME.com.

EXAME.com - Quem são estes manifestantes? De onde eles vêm?

Robert Blackburn - Eles são um grupo misto, mas a maioria é de jovens. Não sabemos muito sobre eles, mas são principalmente de lugares mais pobres. Também são mistos quanto à origem étnica, mas, provavelmente, pertencem a minorias com relação à população em geral.


EXAME.com - A morte de Mark Duggan é apontada como a causa dos protestos. O senhor acha que há outras razões?

Blackburn - A principal causa foi eles terem percebido que podiam fazer isto. A destruição de propriedades foi um exercício inútil de poder. Os consequentes saques foram apenas oportunismo dos criminosos. Os ricos trapaceiam não pagando impostos. Os pobres, saqueando. Mas a maioria é contra ambas as atitudes, e reagiu fortemente (no segundo caso).

EXAME.com - O senhor acredita no surgimento de algo como uma “Primavera Britânica”?

Blackburn - Não.

EXAME.com - O que pode ser feito para evitar o aumento da violência nestas manifestações e o surgimento de outras no futuro?

Blackburn - Há muitas razões para o crescimento da violência nas sociedades. Contudo, eu imagino que uma reação do poder público e penas severas nos tribunais (se é que elas serão dadas) vão desencorajar futuros protestos por algum tempo. Além disso, por um fim na crescente desigualdade econômica também ajudaria.

EXAME.com - Dados os últimos eventos envolvendo o governo e a imprensa britânica (caso do News of The World), o senhor acha que o primeiro-ministro David Cameron tem força política suficiente para controlar a situação?

Blackburn - Não sozinho. Isto requer uma ação coletiva.

EXAME.com - E a polícia? Depois de eventos como a morte do brasileiro Jean Charles e os escândalos dos grampos telefônicos, eles não perderam a credibilidade?

Blackburn - Os problemas de cúpula da polícia têm pouca relevância neste caso dos protestos. Você está certo ao dizer que a reputação dos policiais foi manchada, mas estes últimos acontecimentos conquistaram o apoio da opinião pública.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também