Mundo

Venezuela emite mandado de prisão contra o opositor exilado Juan Guaidó

Ex-presidente do governo paralelo a Nicolás Maduro está exilado nos Estados Unidos e foi acusado por vários crimes incluindo lavagem de dinheiro

Juan Guaidó, principal rival do presidente venezuelano Nicolás Maduro (Sarah Silbiger/Getty Images)

Juan Guaidó, principal rival do presidente venezuelano Nicolás Maduro (Sarah Silbiger/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 6 de outubro de 2023 às 16h35.

Última atualização em 6 de outubro de 2023 às 17h02.

O Ministério Público da Venezuela emitiu uma ordem de prisão contra o opositor Juan Guaidó e vai pedir a Interpol, a polícia internacional, que emita um alerta vermelho. O ex-presidente do Parlamento que liderou um governo paralelo a Nicolás Maduro está exilado nos Estados Unidos e foi acusado por uma série de crimes incluindo lavagem de dinheiro.

A denúncia envolve o chamado governo "governo interino" comandado por Guaidó entre 2019 e 2022, com reconhecimento de EUA, Brasil e cerca de 50 países, que contestaram a reeleição de Maduro. "Usando a figura de um governo fictício, ele causou perdas ao Estado venezuelano", justificou o procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab.

Fique por dentro das últimas notícias no WhatsApp da Exame. Inscreva-se aqui 👉 https://t.ly/6ORRo

Ainda segundo a acusação, ele teria usado recursos da estatal petrolífera PDVSA para gastos pessoais e causado um prejuízo de US$ 19 bilhões.

Saab citou uma "sentença" de um tribunal nos EUA que, segundo ele, indica que o ex-deputado "acessou ativos das subsidiárias da (empresa estatal de petróleo) PDVSA nos Estados Unidos e os usou para se financiar".

O Ministério Público abriu 23 investigações contra Guaidó por supostos crimes cometidos no "governo interino" e cinco outros casos relacionados a uma empresa venezuelana na Colômbia, mas nunca havia emitido um mandado de prisão contra ele, até hoje. Os crimes imputados a Guaidó incluem traição à pátria, usurpação de funções, obtenção ou extração de dinheiro, valores ou bens públicos, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Atualmente, Guaidó se encontra nos Estados Unidos, aonde chegou em abril, depois de fazer uma aparição surpresa na Colômbia. O opositor nega as acusações e alega que chamou de "propaganda" para "perseguir física e moralmente a oposição venezuelana".

"A pergunta de novo é: por que neste momento, porque agora, a 17 dias das primárias? Para continuar distorcendo o que acontece no país", disse ele, ao convocar as pessoas para votarem nas primárias, marcadas pela inabilitação dos principais candidatos.

Retomada de deportações

A prisão de Guaidó foi emitida no momento em que a Venezuela e os EUA fecharam um acordoa para retomar as deportações. A Venezuela concordou em receber cidadãos que sejam deportados dos EUA, algo que não era possível até agora, uma vez que Washington e Caracas romperam relações diplomáticas em 2019 e o país sul-americano está sujeito a fortes sanções econômicas.

A retomada tem o objetivo de dissuadir a migração rumo à fronteira sul americana, anunciaram as autoridades sem dar detalhes de como os EUA convenceram Caracas a aceitar as deportações.

Acompanhe tudo sobre:Juan GuaidóNicolás MaduroVenezuela

Mais de Mundo

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Grupo armado sequestra 13 pessoas perto da fronteira da Colômbia com a Venezuela

Mais na Exame