Mundo

União Europeia vai impor tarifas de até 38% sobre carros elétricos chineses

Os aumentos anunciados entrarão em vigor em 4 de julho; China disse que pode retaliar

BYD será uma das empresas prejudicadas pela medida (	VCG /Getty Images)

BYD será uma das empresas prejudicadas pela medida ( VCG /Getty Images)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 12 de junho de 2024 às 09h37.

A União Europeia disse nesta quarta-feira, 12, que vai impor tarifas de até 38% sobre veículos elétricos importados da China. A medida, que ocorre um mês depois de o presidente Biden quadruplicar as tarifas dos EUA sobre veículos elétricos chineses para 100%, abre outra frente na escalada das tensões comerciais com a China em meio a temores de uma "invasão" produtos chineses de tecnologia verde.

Segundo reportagem do New York Times, as ações de União Europeia e Estados Unidos também refletem os desafios que os fabricantes de automóveis tradicionais desses dois players enfrentam por parte de empresas chinesas emergentes fundadas com foco em veículos elétricos e bases de custos muito mais baixas do que as rivais no Ocidente.

Ao contrário dos fabricantes os EUA, várias montadoras europeias estão ligadas ao mercado chinês e os seus carros produzidos lá também estarão sujeitos a tarifas mais elevadas. Essas empresas criticaram a decisão da União Europeia de aumentar as tarifas - essas companhias devem enfrentar taxas que variam de 21% ou 38,1%

Os aumentos anunciados na quarta-feira, que são preliminares e entrarão em vigor em 4 de julho, variam entre 17,4% e 38,1% para três dos principais fabricantes chineses, incluindo BYD, Geely e SAIC. As tarifas foram calculadas com base no nível de cooperação com as autoridades europeias, que passaram os últimos meses investigado o nível de apoio do governo chinês a estas empresas.

A União Europeia defendeu a ação, afirmando num comunicado que investigação iniciada em outubro descobriu que a cadeia de fornecimento de veículos eléctricos na China “se beneficia fortemente de subsídios injustos, e que as importações chinesas subsidiadas a preços artificialmente baixos representa, portanto, uma ameaça de prejuízo claramente previsível e iminente para a UE".

De acordo com o NYT, o setor automóvel proporciona quase 13 milhões de empregos no bloco de 27 países, o segundo maior mercado mundial para veículos elétricos, depois da própria China. As importações de carros elétricos da China no ano passado atingiram US$ 11,5 bilhões, acima do US$ 1,6 bilhão em 2020.

Trinta e sete por cento de todos os veículos elétricos importados para a Europa vêm da China, incluindo carros fabricados pela Tesla, BMW e Dacia, propriedade da Renault. As marcas chinesas representam 19% do mercado europeu de veículos elétricos. Seu número tem crescido constantemente, de acordo com um estudo do Rhodium Group.

Antes do anúncio, a China tinha avisado que poderia retaliar aumentando as tarifas sobre automóveis movidos a gás importados da Europa e produtos agrícolas e de aviação. A China já aplica um imposto de 15% sobre todos os veículos eléctricos importados da Europa.

Isso inclui carros fabricados pela BMW e pela Volkswagen, por exemplo, que não só vendem para a China, mas também possuem grandes instalações de produção no país.

Acompanhe tudo sobre:União EuropeiaChinaCarros elétricos

Mais de Mundo

Primeiro-ministro japonês pede desculpas por esterilização forçada de milhares de pessoas no país

Argentina obtém 1º superávit financeiro semestral desde 2008

Diplomata da norte-coreano em Cuba foge para Coreia do Sul

Biden diz estar “totalmente comprometido” com sua campanha para derrotar Trump

Mais na Exame