Mundo
Acompanhe:

União Europeia fecha novo pacote de sanções contra Irã, por repressão a protestos

A UE sancionou 37 funcionários e organizações da República Islâmica

Irã: mais de 60 funcionários e organizações iranianas já foram sancionadas pela repressão aos protestos no país (AFP/AFP)

Irã: mais de 60 funcionários e organizações iranianas já foram sancionadas pela repressão aos protestos no país (AFP/AFP)

D
Da redação, com agências

23 de janeiro de 2023, 11h54

Ministros da União Europeia (UE) chegaram a um acordo nesta segunda-feira, 23, para impor uma nova rodada de sanções contra o Irã, segundo a presidência sueca do Conselho da UE.

"Os ministros adotaram um novo pacote de sanções contra o Irã, visando aqueles que conduzem a repressão", disse a presidência, em sua página no Twitter, referindo-se aos esforços de autoridades iranianas para reprimir protestos contra o governo que ocorrem no país há cerca de cinco meses.

A UE sancionou 37 funcionários e organizações da República Islâmica. A lista completa com os nomes das pessoas e organizações sancionadas ainda deverá ser publicada no Diário Oficial da UE. Mais de 60 funcionários e organizações iranianas já foram sancionadas pela repressão aos protestos no país.

Entre os sancionados estão altos funcionários, agentes da polícia da moralidade de Teerã, líderes da Guarda Revolucionária e veículos estatais de imprensa. No entanto, os países membros da UE ainda não decidiram classificar a Guarda Revolucionária como um grupo terrorista, apesar dos pedidos da Alemanha e Holanda. O governo iraniano já advertiu a UE contra essa possibilidade.

O estopim das manifestações foi a morte de Mahsa Amin, jovem de 22 anos detida pela polícia da moralidade na capital Teerã, em setembro do ano passado, por supostamente violar regras locais que exigem que mulheres cubram os cabelos com um tipo de véu islâmico conhecido como hijab.

"A UE condena veementemente o uso brutal e desproporcional da força pelas autoridades iranianas contra manifestantes pacíficos", acrescentou a presidência sueca da UE no tuíte, sem fornecer detalhes das sanções.