UE: mercado de gás deve seguir apertado até 2025 em caso de corte da oferta russa

As importações de gás natural liquefeito (GNL) em longo prazo podem se tornar a principal fonte alternativa de fornecimento para a União Europeia
Já novos suprimentos de longo prazo de recursos de baixo custo podem substituir totalmente os suprimentos russos e reequilibrar o mercado a partir de 2026 (Getty Images/Getty Images)
Já novos suprimentos de longo prazo de recursos de baixo custo podem substituir totalmente os suprimentos russos e reequilibrar o mercado a partir de 2026 (Getty Images/Getty Images)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 26/09/2022 às 18:12.

Última atualização em 26/09/2022 às 19:34.

O mercado de gás na Europa permanecerá apertado até 2025 no caso de um corte total na oferta russa, à medida que fontes alternativas de fornecimento progressivamente se tornarem disponíveis, segundo estudo da Associação Internacional de Produtores de Gás e Petróleo (IOGP, na sigla em inglês).

Já novos suprimentos de longo prazo de recursos de baixo custo podem substituir totalmente os suprimentos russos e reequilibrar o mercado a partir de 2026, projeta a pesquisa.

As importações de gás natural liquefeito (GNL) em longo prazo podem se tornar a principal fonte alternativa de fornecimento para a União Europeia, além de recursos domésticos máximos e importações por gasodutos, afirma a IOGP.

"São necessários contratos de longo prazo para sustentar a capacidade de GNL, enquanto são necessários alguns ajustes na infraestrutura de gás europeia. Espera-se que o custo de desenvolvimento e fornecimento desses volumes alternativos para a Europa permita que os preços do gás europeu caiam para os níveis de expectativa pré-crise", projeta.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No curto prazo, pode-se esperar uma redução significativa da demanda em um ambiente de preços altos contínuos, à medida que as famílias e a indústria reduzem o consumo e mudam para energias alternativas, avalia. Os preços altos atraem cargas de GNL, incentivam a plena produção dos campos existentes na Europa e maximizam as importações de dutos de países vizinhos, aponta o estudo.

Entre as ações que a União Europeia pode tomar, a IOGP aponta que, embora o bloco possa facilitar o abastecimento de novos fornecimentos com países terceiros, os contratos devem continuar a ser celebrados entre os participantes no mercado em concorrência entre si. Além disso, é necessário enfrentar o gargalo de infraestrutura ausente da América do Norte para permitir totalmente as exportações de GNL para a Europa, avalia.

LEIA TAMBÉM:

Emirados Árabes Unidos fornecerá gás e diesel para Alemanha

Investidores vendem maciçamente títulos da dívida pública do Reino Unido e rentabilidade dispara