Mundo

UE faz acordo para endurecer sanções econômicas à Bielorrússia

País europeu está sendo criticado pelo bloco por oferecer ajuda à Rússia em ofensiva na Ucrânia

Guerra: Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia apoia Vladimir Putin (Contributo/Getty Images)

Guerra: Alexander Lukashenko, presidente da Bielorrússia apoia Vladimir Putin (Contributo/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 26 de julho de 2023 às 19h06.

Última atualização em 26 de julho de 2023 às 19h15.

Os Estados-membros da União Europeia (UE) concordaram nesta quarta-feira, 26, em endurecer as sanções econômicas contra a Bielorrússia.

O motivo seria a ajuda oferecida à Rússia em sua ofensiva na Ucrânia e a forte repressão do presidente Alexander Lukashenko a opositores locais, informaram fontes oficiais à AFP.

Fique por dentro das últimas notícias no Telegram da Exame. Inscreva-se gratuitamente

A Espanha, que ocupa a presidência semestral do bloco, indicou que os embaixadores da UE chegaram ao acordo em uma reunião sobre novas medidas em retaliação à guerra contra a Ucrânia. As sanções preveem o congelamento de bens de Lukashenko e aliados na UE e a proibição de concessão de vistos a funcionários do governo que desejem acessar territórios que integrem o bloco europeu.

Vários diplomatas europeus disseram à AFP que outras sanções visam restringir a exportação de material que possa ter uso militar, e também impedir a exportação de material aeronáutico para a Bielorrússia.

Alexander Lukashenko é o aliado mais próximo ao presidente russo Vladimir Putin e emprestou o território do seu país para as tropas de Moscou invadirem a Ucrânia no início da ofensiva, em fevereiro de 2022. Desde então, a nação tem servido de base militar para a Rússia.

A UE já impôs outras sanções ao regime de Minsk pela repressão exercida desde 2020 contra a oposição e ao seu papel na guerra na Ucrânia.

Diante das sanções, Lukashenko e outros nomes relacionados ao seu governo tiveram seus bens congelados e foram impedidos de entrar na UE.

Acompanhe tudo sobre:UcrâniaRússiaGuerrasUnião Europeia

Mais de Mundo

Biden diz estar “totalmente comprometido” com sua campanha para derrotar Trump

Democratas irão confirmar Biden como candidato de forma virtual até o fim de julho

Democratas tentam impedir a nomeação virtual de Biden como candidato

FBI investiga 'mortes misteriosas' em hotel de luxo na Tailândia

Mais na Exame