UE deixa de reconhecer Guaidó como presidente interino da Venezuela

Segundo comunicado dos países da UE, Guaidó será considerado um "interlocutor privilegiado", mas não mais presidente interino da Venezuela

A União Europeia deixou de reconhecer Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela, como vinha fazendo desde 2019.

Segundo comunicado dos países da UE nesta segunda-feira, 25, após reunião de ministros do bloco, Guaidó será considerado um "interlocutor privilegiado", mas não mais presidente interino da Venezuela.

No dia 6 de janeiro, os 27 países do bloco europeu já haviam dito que não poderiam mais reconhecer Guaidó legalmente depois de ele perder a posição de líder do Parlamento na esteira da nova composição do Legislativo venezuelano após as eleições em dezembro -- apesar de a UE não ter reconhecido essa votação na Venezuela.

Guaidó foi reconhecido como presidente interino por uma série de países no mundo em 2019, após uma tentativa de tirar o poder do presidente Nicolás Maduro. Ele ainda tem o status de interino no Brasil, Estados Unidos e Reino Unido.

"A UE repete seu clamor [...] pela liberdade e segurança de todos os oponentes políticos, em particular representantes dos partidos de oposição eleitos para a Assembleia Nacional de 2015, e especialmente Juan Guaidó", disse o comunicado, após a reunião de ministros em Bruxelas. "A UE os considera elementos importantes e interlocutores privilegiados".

A condição de presidente interino dá a Guaidó acesso a fundos confiscados de Maduro por governos ocidentais, a autoridades de primeiro escalão e a apoio a seu movimento pró-democracia em casa e no exterior.

A decisão dos membros da UE vem mesmo após uma resolução da semana passada do Parlamento Europeu, que determinava que governos do bloco mantivessem a posição de Guaidó como chefe de Estado.

No poder desde 2013, Maduro foi reeleito em 2018 em uma eleição questionada. Guaidó, que era o chefe do Parlamento na ocasião, passou a liderar a oposição de forma mais abrangente e passaria a ser visto como presidente interino. O Parlamento eleito em 2015 na Venezuela era controlado pela oposição, enquanto os eleitos para a Assembleia em 2020 são majoritariamente aliados de Maduro, após eleições que foram amplamente questionadas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.