UE atenua sanções ao petróleo da Síria para ajudar rebeldes

Medida tem o objetivo de permitir a compra de petróleo da oposição e contribuir para a derrubada do presidente sírio, Bashar al-Assad

Luxemburgo - Governos da União Europeia concordaram nesta segunda-feira em atenuar as sanções à Síria de modo a permitir a compra de petróleo da oposição e contribuir para a derrubada do presidente sírio, Bashar al-Assad.

A decisão, tomada em uma reunião de ministros de Relações Exteriores da UE em Luxemburgo, permitirá que importadores europeus comprem petróleo bruto da Síria, desde que a Coalizão Nacional Síria, o principal grupo oposicionista, autorize.

As sanções haviam sido impostas em 2011, em resposta à brutal repressão de Assad a protestos pró-democracia. Dois anos depois, o conflito é uma guerra civil que já matou estimadas 70 mil pessoas.

Autoridades da UE disseram que haverá também mais assistência de outros tipos à oposição síria e que empresas europeias poderão retomar seus investimentos na infraestrutura petrolífera síria, desde que o dinheiro seja destinado aos rebeldes.

A compra de petróleo sírio será complicada por questões de segurança e infraestrutura, mas autoridades disseram que poderá ser oferecida mais ajuda financeira.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.