UE amplia sanções contra Síria

Esta é a terceira rodada de sanções impostas pela União Europeia ao regime de Bashar al-Assad

Bruxelas – A União Europeia (UE) ampliou nesta quarta-feira as sanções contra a Síria, passando a incluir quatro personalidades do país, três iranianos e quatro empresas vinculadas ao Exército.

A lista de sanções apresentada pela França e o Reino Unido aos demais países da UE “foi aprovada”, indicaram nesta quarta-feira à Agência Efe fontes diplomáticas.

Esta é a terceira rodada de sanções impostas pela região à Síria e ao regime de Bashar al-Assad e representa uma “importante mensagem” ao regime de Damasco de que a repressão é “inaceitável”, acrescentaram as fontes.

A UE sancionou essas pessoas e entidades por “fornecerem equipamento militar ou apoio à Síria para reprimir os protestos”.

As listas devem ser aprovadas oficialmente na quinta-feira, e na sexta-feira serão publicadas no Diário Oficial da UE.

As novas sanções se somam às que a UE impôs em 9 e 23 de maio contra o regime de Al-Assad.

Na “lista negra” do bloco europeu havia até agora 23 nomes, incluindo o de Al-Assad, e após a nova rodada de sanções o número de pessoas presentes na lista subiu para 30, mais quatro entidades.

As sanções incluem o congelamento dos ativos e a proibição de viajar para o território comunitário.

Os ministros das Relações Exteriores da UE não aceitaram o discurso feito na segunda-feira por Al-Assad, que insistiu na necessidade de promover um diálogo nacional para encerrar a crise na Síria, que é “alvo de uma conspiração internacional”.

“O discurso da segunda-feira foi decepcionante e ele (Al-Assad) tem que ser julgado por suas ações e não por suas palavras”, consideraram as fontes diplomáticas.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.