Ucrânia: grupo de credores internacionais apoia suspensão da dívida do país

A decisão foi comunicada nesta quarta-feira, como manifestação de solidariedade e apoio à nação ucraniana que lida com a guerra causada pela invasão russa
 (AFP/AFP)
(AFP/AFP)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 20/07/2022 às 16:59.

O chamado Grupo de Credores da Ucrânia, que inclui Estados Unidos e Alemanha, irá atender à solicitação do país e adiar o pagamento da dívida aos detentores de títulos a partir de 1ª de agosto até o fim de 2023. A decisão foi comunicada nesta quarta-feira, como manifestação de solidariedade e apoio à nação ucraniana que lida com a guerra causada pela invasão russa.

Dadas as "circunstância excepcionais", e com o "histórico exemplar" de Kiev de honrar sua dívida até o momento, os credores apoiam a solicitação e incentivam "fortemente" os detentores de títulos a consentirem a solicitação da Ucrânia, diz nota. Ainda, "encorajam fortemente" que outros credores bilaterais negociem acordos semelhantes com o país.

Além dos EUA e Alemanha, integram o grupo: Canadá, França, Japão e Reino Unido.

Secretária do Tesouro americano, Janet Yellen elogiou a medida e reforçou o pedido para que outras autoridades credoras integrem a iniciativa para auxiliar a Ucrânia a se defender da guerra.

Os membros do Grupo de Credores da Ucrânia também observam a publicação simultânea hoje de uma solicitação de consentimento da Ucrânia para ajustar certos mecanismos de pagamento nos termos de suas garantias (warrants) vinculados ao Produto Interno Bruto (PIB).