Turma da Mônica terá edição em defesa da Amazônia

A revista mostrará os amigos enfrentando madeireiros e combatendo a biopirataria na Amazônia

São Paulo – Os personagens dos quadrinhos de Maurício de Sousa e dos mangás de Osamu Tezuka se uniram para combater madeireiros e disseminar a importância da preservação da floresta. Uma prévia pode ser conferida na próxima edição da “Turma da Mônica Jovem”.

Osamu Tezuka, considerado o “pai do mangá”, é o criador dos personagens Astro Boy, Kimba (o leão branco) e Safiri (de A Princesa e o Cavaleiro). O artista idealizou o projeto juntou com o brasileiro Maurício de Sousa, porém morreu antes de ver o resultado nas bancas.

Após 23 anos guardado, o trabalho em defesa da Amazônia terá uma edição especial publicada em fevereiro. Para os mais ansiosos, a revista “Turma da Mônica Jovem”, edição 43, que estará nas bancas a partir desta quinta-feira (26) já mostra um pouco de como será essa história.

As ilustrações serão em preto e branco com os personagens: Mônica, Magali, Cascão e Cebola (não mais Cebolinha, pois ele e os demais personagens já são adolescentes). Em formato mangá, a revista mostrará os amigos enfrentando madeireiros e combatendo a biopirataria na Amazônia com a ajuda dos astros japoneses.

“Eles (os personagens) vão à região para estudar a floresta, mas acabam encontrando coisas esquisitas acontecendo. Os desenhos japoneses aparecem então para auxiliar na investigação deles. É uma boa história”, antecipou o autor Maurício de Sousa em entrevista ao Globo Natureza.

O quadrinista disse que foi um pedido de Tezuka realizar um trabalho que envolvesse a Amazônia. Assim como ele, outros japoneses relataram a mesma preocupação, o que deixou Maurício de Sousa envergonhado, pois não conhecia a floresta. Somente em 2006 ele viajou para a região do Rio Jari, localizado na divisa do Amapá com o Pará, e inspirou-se para os cenários criados no projeto.

“Fiz outras viagens depois disso com a intenção de me inspirar a criar um personagem indígena, mas que tenha a cara da Amazônia. Ainda não cheguei ao fim deste projeto”, disse Maurício. Ainda que esta ideia esteja em desenvolvimento, ele já desenhou o índio Papa-Capim, inspirado na população indígena que vive em aldeias da Bahia.

O quadrinista aproveitará a Rio+20, conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, para lançar o personagem Chico Bento na fase adolescente. Este personagem terá intima relação com o meio ambiente e a intenção é fazer com que a publicação atinja todas as pessoas, inclusive, as que moram no interior do Brasil. Para concluir o projeto, a equipe tem conversado com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) e ONGs.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.