Mundo

Trump se reúne com ex-rival Romney para formar gabinete

Aproximação alimenta especulações de que Mitt Romney pode ser o próximo secretário de Estado dos EUA

Trump: presidente eleito dos Estados Unidos buscou aproximação com Mitt Romney (Carlo Allegri/Reuters Brazil)

Trump: presidente eleito dos Estados Unidos buscou aproximação com Mitt Romney (Carlo Allegri/Reuters Brazil)

R

Reuters

Publicado em 20 de novembro de 2016 às 10h46.

Última atualização em 20 de novembro de 2016 às 10h49.

Bedminster - O presidente eleito dos Estados Unidos Donald Trump, e o candidato presidencial de 2012, Mitt Romney, deixaram a rivalidade de lado no sábado e tiveram conversas que devem alimentar especulações de que Romney pode ser o próximo secretário de Estado dos EUA.

Depois de um dia de reuniões, Trump disse a repórteres que seu processo de busca está andando de forma "muito eficiente" e que conversou com pessoas "realmente talentosas" que poderiam fazer parte de seu gabinete.

Trump disse que poderia fazer alguns anúncios neste domingo. Ele elogiou o general da Marinha aposentado James Mattis, cotado para ser secretário de Defesa.

Após uma hora e 20 minutos de reunião com Romney, Trump disse a jornalistas que as conversas "foram ótimas". Romney afirmou que a dupla "teve uma conversa profunda sobre vários acontecimentos no mundo".

"Discutimos aquelas áreas e trocamos pontos de vistas nesses tópicos - uma discussão muito profunda no tempo em que tivemos", disse Romney. "E aprecio a oportunidade de falar com o presidente eleito e aguardo com expectativa a próxima administração."

A equipe de Trump disse em comunicado que Trump e Romney realizaram uma "conversa substancial e aprofundada sobre assuntos mundiais, segurança nacional e o futuro da América".

Acompanhe tudo sobre:Donald TrumpEleições americanasEstados Unidos (EUA)Mitt Romney

Mais de Mundo

Milei se reunirá com Macron em viagem à França para abertura dos Jogos Olímpicos

'Tome chá de camomila', diz Maduro após Lula se preocupar com eleições na Venezuela

Maduro deve aceitar resultado das eleições se perder, diz ex-presidente argentino

Macron só vai nomear primeiro-ministro após Jogos Olímpicos

Mais na Exame