A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Trump diz que Rússia "atropelou" Obama durante seu mandato

Segundo o presidente, o país se tornou "ainda mais forte" com a anexação da Crimeia e a aquisição de mais mísseis

Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira que a Rússia "atropelou" seu antecessor na Casa Branca, Barack Obama, durante seus oito anos de mandato e se tornou "ainda mais forte", com a anexação da Crimeia e a aquisição de mais mísseis.

"Durante oito anos, a Rússia 'atropelou' o presidente Obama, se tornou ainda mais forte, tomou a Crimeia e acrescentou mísseis. Fraco!", comentou Trump em sua conta pessoal no Twitter.

No fim de sua mensagem, o presidente incluiu a conta no Twitter do programa matutino "Fox & Friends", da emissora conservadora "Fox" ao qual ele assiste com frequência.

As críticas de Trump a Obama por este ter sido, na opinião do magnata, "fraco" com a Rússia durante seu mandato acontecem enquanto vários integrantes do governo do republicano estão sendo questionados por seus contatos com funcionários russos.

Michael Flynn acabou perdendo o cargo conselheiro de segurança nacional de Trump depois que ficou comprovado que ele havia mentido sobre seus contatos com o embaixador russo em Washington, Sergei Kislyak.

O procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, também se reuniu em várias ocasiões com Kislyak quando era senador e assessor da campanha de Trump, e omitiu esses contatos durante sua sabatina no Senado.

Diante das críticas geradas, Sessions anunciou que vai se afastar das investigações de seu departamento, o de Justiça, sobre a suposta interferência russa nas eleições para prejudicar, através de ataques cibernéticos, a então candidata democrata Hillary Clinton e favorecer seu rival, o agora presidente republicano Trump.

Por outro lado, o ex-presidente Obama está sendo o maior alvo dos últimos ataques de Trump, que o acusou - sem provas - de ter ordenado um grampo nas comunicações do magnata durante a campanha eleitoral do ano passado.

Hoje Trump afirmou, em outro tweet, que 122 ex-presos "violentos" de Guantánamo libertados pelo governo de Obama "voltaram ao campo de batalha".

Segundo Trump, essas libertações são "somente mais uma decisão terrível" tomada pelo governo Obama.

O presidente não citou em seu tweet de onde tirou esses dados, mas, em setembro do ano passado, o Escritório do Diretor Nacional de Inteligência (ODNI, sigla em inglês) publicou um relatório que assegurava que 122 ex-internos da prisão situada na Base Naval de Guantánamo, em Cuba, tinham se reintegrado a grupos armados.

De acordo com esse relatório, 113 desses 122 foram libertados não por ordem de Obama, mas durante o governo do ex-presidente George W. Bush.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também