Presidente Trump diz tomar hidroxicloroquina contra a covid-19

Ainda não foi comprovado que a droga, ou a semelhante cloroquina, possam ajudar a tratar o coronavírus ou prevenir a contaminação

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que está tomando a droga hidroxicloroquina “há semanas” para se prevenir de uma possível contaminação pelo novo coronavírus, de acordo com o site da NBC. O presidente fez a declaração enquanto respondia a perguntas de jornalistas na Casa Branca.

Ainda não foi compravado que a droga pode ajudar a tratar a covid-19 ou prevenir a contaminação. No entanto, o político republicano tem defendido o uso da droga, assim como o da cloroquina, versão que seria mais tóxica.

“Muitas coisas boas surgiram sobre o hidroxicloroquina. Muitas coisas boas surgiram. Você ficaria surpreso com quantas pessoas estão tomando ”, disse Trump. “Eu tomo… estou tomando há uma semana e meia. Um comprimido por dia”, disse a repórteres.

Trump fez a revelação de forma voluntária durante uma entrevista coletiva após se reunir com empresários do setor de restaurantes, que estão sofrendo os impactos da pandemia.

Há algumas semanas, Trump promoveu a droga como um potencial tratamento para a Covid-19, tendo como base um relatório positivo quanto a seu uso no combate ao vírus, mas estudos subsequentes mostraram que o medicamento não é eficaz.

A Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês) emitiu um alerta sobre o uso do remédio.

Em um comunicado divulgado em 24 de abril, a FDA disse que está “ciente de relatos de sérios problemas de arritmia cardíaca” em pacientes da Covid-19 tratados com a hidroxicloroquina ou com cloroquina, um medicamento mais antigo.

Trump, de 73 anos, que é submetido frequentemente a testes para o vírus, disse que perguntou ao médico da Casa Branca se era “OK” tomar o medicamento, e que o médico respondeu que “bem, se você quiser.”

O presidente, no entanto, se recusa a utilizar uma máscara de proteção na Casa Branca.

Imediatamente após os comentários de Trump, a Fox News entrevistou o médico Bob Lahita, professor de Medicina da Rutgers University, que alertou as pessoas para que não tomem hidroxicloroquina.

“Não há efeitos que tenhamos visto, e tratamos diversos pacientes com isso”, afirmou.

Trump disse que também tomou uma dose única de azitromicina, um antibiótico que visa evitar infecções. Em conjunto com a hidroxicloroquina, o presidente americano disse que está tomando zinco. “Tudo que posso dizer é que, até aqui, pareço estar OK”, concluiu.

De acordo com o presidente, o medicamento foi receitado pelo médico da Casa Branca.

Em março, as declarações de Trump sobre a cloroquina fizeram explodir as buscas pela droga na internet e levaram a uma corrida às farmácias. Em alguns países, o uso indevido causou intoxicação e mortes.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro também tem apelado para o uso de ambas as drogas para o tratamento da covid-19. A ampliação do protocolo de aplicação da cloroquina, para pacientes com sintomas leves, foi um dos motivos que levaram à queda do ministro da Saúde Nelson Teich.

Vacina

Nesta segunda-feira, o presidente americano também se mostrou empolgado com a possibilidade de a empresa Moderna ter desenvolvido uma vacina contra a covid-19.

“Este foi um grande dia em termos de conhecimento terapêutico sobre cura e vacina”, disse.

“Um tremendo progresso foi feito. Alguns grandes anúncios estão por vir e acabam de ser anunciados e o mercado subiu quase 1.000 pontos”, disse Trump em uma mesa-redonda com executivos de restaurantes e líderes do setor na Casa Branca.

Mais notícias sobre possíveis tratamentos da covid-19

O que se sabe sobre a cloroquina, um dos motivos da queda de Teich

Após saída de Teich, ministério diz que vai ampliar uso de cloroquina

Feito no Brasil, estudo liga altas doses de cloroquina a mortes

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.