Trump avança em estados-chave e diminui diferença com Biden

Vantagem do democrata se mantém, mas pesquisas apontam para uma apuração ainda mais apertada nos estados decisivos
Trump X Biden: eleições americanas ocorrem hoje e pesquisas reduzem a diferença entre o republicano e o democrata nos estados-chaves (Montagem/Exame)
Trump X Biden: eleições americanas ocorrem hoje e pesquisas reduzem a diferença entre o republicano e o democrata nos estados-chaves (Montagem/Exame)
F
Fabiane Stefano e Gabriel Justo

Publicado em 03/11/2020 às 12:50.

Última atualização em 03/11/2020 às 18:48.

A poucas horas do encerramento das eleições nos EUA, a diferença entre Joe Biden e Donald Trump diminui nos principais estados-chave, como Flórida, Carolina do Norte, Pensilvânia, Michigan, Arizona e Wisconsin. Na média desse grupo de estados, Biden aparece 2,3 pontos percentuais à frente de Trump (48,9% a 46.6%). Há quatro dias, em 31 de outubro, essa diferença era de 3,6 pontos percentuais. Os dados são consolidados pelo site americano Real Clear Politics, que criou um índice que calcula a média das pesquisas publicadas em âmbito nacional e estadual.

“O que mudou foi que Trump está melhor na margem de erro nos estados de Iowa, Arizona, Ohio, Flórida e Pensilvânia. Pouco, mas está melhor”, explica Mauricio Moura, fundador do Ideia, instituto de pesquisa especializado em opinião pública.

Ao analisar o índice da Real Clear Politics sobre o estado da Pensilvânia, por exemplo, Trump tinha 45,4% das intenções de voto na segunda-feira, 1 de novembro, e hoje está com 47,5%. Já Biden que estava com 47,9% dois dias atrás agora aparece com 48,7%.

Ou seja, o intervalo entre os dois candidatos que era de 4,3 pontos percentuais passou para 1,2 nos últimos dias. A variação está dentro da margem de erro das pesquisa - três pontos a mais ou a menos - mas a diferença ficou menor.

 

Média das últimas pesquisas nos estados da Flórida, Carolina do Norte, Pensilvânia, Michigan, Wisconsin e Arizona, segundo o site Real Clear Politics

(Real Clear Politics/Exame)

 

 

Apesar do avanço de Trump, a vantagem de Biden se mantém na maioria dos estados. Em Wisconsin e no Michigan, o democrata tem 6,7 e 4,2 pontos de vantagem, respectivamente, em relação ao republicano. Apenas na Carolina do Norte Trump aparece à frente de Biden, com uma pequena vantagem de 0,2 pontos: 47,8 a 47,6. Os números são do Real Clear Politics.

Na média geral das pesquisas apuradas pelo Real Clear Politics, Biden tem 7,2 pontos de vantagem sobre Trump: o democrata tem 51,2% das intenções de voto contra 44% para Trump.

 

Média das últimas pesquisas nacionais, segundo o site Real Clear Politics

(Real Clear Politics/Exame)

Se Trump repetir o que aconteceu no último pleito e vencer em lugares como a Pensilvânia ou a Flórida, a reeleição do presidente passa a ser muito mais possível. Como mostrou um levantamento exclusivo da EXAME, no limite, é possível que um candidato vença nos EUA com só 23% dos votos válidos do país (no Brasil, é necessária uma maioria de 50% mais um voto).

(EXAME Research/Exame)

Outro desafio é que Biden terá mais de seus votos vindos do correio do que Donald Trump. Alguns desses votos podem ser perdidos no meio do caminho, algo que sempre acontece — a diferença é que, até então, havia uma proporção muito menor de votos à distância.

Por isso, esta eleição deve ser uma das mais disputadas, controversas e caóticas da história recente. O FiveThirtyEight calcula que Trump tem 10% de chances de vencer a eleição, ou uma chance em cada dez tentativas. É uma margem menor do que os cerca de 30% que ele tinha em 2016, mas ainda não necessariamente desprezível.