Mundo

Trump anuncia ataque conjunto à Síria contra uso de armas químicas

Reino Unido e França participam de plano, segundo o presidente dos EUA

O presidente dos EUA, Donald Trump, anuncia ataques militares contra a Síria enquanto faz um pronunciamento da Casa Branca em Washington (Yuri Gripas/Reuters)

O presidente dos EUA, Donald Trump, anuncia ataques militares contra a Síria enquanto faz um pronunciamento da Casa Branca em Washington (Yuri Gripas/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de abril de 2018 às 22h21.

Última atualização em 14 de abril de 2018 às 01h00.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou na noite desta sexta-feira, 13, ataques de precisão a alvos da Síria. A ação militar tem apoio da França e do Reino Unido e tem por objetivo dissuadir o suposto uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad.

"Assad implantou de modo significativo o de armas químicas de modo muito terrível", afirmou o presidente americano. "O uso de armas químicas pela Síria denota crimes monstruosos de Assad. Hoje, os EUA, a Grã-Bretanha e a França vão juntos utilizar o poder justo contra a barbárie e a brutalidade de Assad."

A autorização dos ataques ocorre uma semana após relatos de ONGs da Síria de um ataque químico a civis na cidade de Douma, reduto rebelde próximo de Damasco. Ao menos 70 pessoas teriam morrido na ação, que é negada pelo presidente Assad.

Trump também pediu ao Irã e à Rússia que deixem de apoiar um regime que causa "assassinato em massa de homens, mulheres e crianças inocentes". Teerã e Moscou são os dois maiores apoiadores do governo Assad.

O presidente americano ressaltou ainda que os ataques ocorrerão "até que o regime sírio deixe de utilizar armas químicas contra civis". "Sustentaremos esta ação tanto quanto for necessário", disse.

Acompanhe tudo sobre:Bashar al-AssadDonald TrumpEstados Unidos (EUA)FrançaGuerra na SíriaReino UnidoSíria

Mais de Mundo

Kamala e democratas aceleram estratégia de atacar Trump em comício em Milwaukee

Líderes do Senado e da Câmara dos EUA endossam candidatura de Kamala Harris

Wegovy da Novo Nordisk é aprovado no Reino Unido para prevenção cardiovascular

Eleições EUA: Kamala tem 44% das intenções de voto e Trump, 42%, diz pesquisa Reuters/Ipsos

Mais na Exame