Mundo

Tribunal eleitoral de Honduras fará recontagem parcial de votos

Quase duas semanas após a votação, o resultado da eleição continua sendo desconhecido e alvo de acusações de fraude

Honduras: recontagem das 4.753 urnas em questão foi solicitada pela OEA (Jorge Cabrera/Reuters)

Honduras: recontagem das 4.753 urnas em questão foi solicitada pela OEA (Jorge Cabrera/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 8 de dezembro de 2017 às 09h23.

Tegucigalpa - O tribunal eleitoral de Honduras recontará 4.753 urnas de votos que criaram dúvidas sobre os resultados da eleição presidencial do país, disse o chefe da corte na quinta-feira, curvando-se a uma exigência da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Quase duas semanas após a votação de 26 de novembro o resultado continua desconhecido, e alegações de fraude eleitoral provocaram protestos e um coro de preocupação internacional com os eventos na nação pobre da América Central.

Os resultados oficiais mostraram o presidente conservador hondurenho, Juan Orlando Hernández, com uma vantagem estreita de 1,6 ponto percentual diante do líder opositor de centro-esquerda Salvador Nasralla - mas o tribunal eleitoral ainda não declarou nenhum vencedor.

A corte declarou que Nasralla liderava a apuração em um anúncio feito na manhã seguinte à eleição, com pouco mais de metade das urnas apuradas, mas não forneceu atualizações durante cerca de 36 horas. Assim que os números voltaram a ser divulgados a vantagem de Nasralla começou a diminuir rapidamente.

Na quinta-feira, depois de se reunir com o principal diplomata dos Estados Unidos em Honduras e com o representante da OEA no país, o presidente do tribunal eleitoral, David Matamoros, disse que haverá uma recontagem das urnas que chegaram após a pausa de 36 horas, e que a oposição afirma terem sido fraudadas.

"Este é um processo que queremos realizar diante dos olhos do mundo, e queremos convidar a sociedade civil", disse Matamoros em uma coletiva de imprensa na capital Tegucigalpa.

A OEA, que na quarta-feira disse que poderia pedir uma nova eleição em Honduras se "irregularidades" minassem a credibilidade dos resultados, havia pedido uma recontagem das 4.753 urnas em questão.

Ainda não se sabe se a oposição aceitará a oferta do tribunal. Na noite de quarta-feira Nasralla pediu um árbitro internacional para supervisionar a recontagem de todas as 18 mil urnas, dizendo que não reconhece mais o tribunal eleitoral de Honduras por causa de seu papel no processo.

Separadamente, o Ministério da Segurança hondurenho disse na quinta-feira que está revogando o toque de recolher de mais três departamentos, o que significa que a restrição ainda vigora somente em seis dos 18 departamentos do país.

Acompanhe tudo sobre:EleiçõesHondurasPolítica

Mais de Mundo

Em ligação com Kennedy Jr., Trump diz que tiro em atentado foi como 'maior mosquito do mundo'; vídeo

J.D. Vance: candidato a vice gastou R$ 14 mil em churrascaria brasileira em 2023

Como Trump vem ganhando apoio de parte do Vale do Silício

Na China, Visa e MasterCard reduzem taxas de vendedores por pagamentos com cartões internacionais

Mais na Exame