Traficante é preso na Espanha após extradição do Brasil

"El Negro" era um dos 15 criminosos mais procurados pela justiça espanhola e estava detido em São Paulo com identidade falsa

Madri - A Audiência Nacional da Espanha, um tribunal com jurisdição em todo território do país, ordenou nesta segunda-feira a prisão para o suposto traficante de drogas Carlos Ruiz Santamaría, conhecido como "El Negro", extraditado pelo Brasil após fugir da Espanha em 2001, onde é acusado de narcotráfico, informaram fontes judiciais.

"El Negro", de 44 anos e que figurava na lista dos 15 criminosos mais procurados pela justiça espanhola, foi localizado em fevereiro de 2009 em uma prisão de São Paulo com uma identidade falsa e onde estava detido há nove meses.

Segundo fontes jurídicas, o criminoso foi extraditado à Espanha e hoje aconteceu uma audiência judicial, em que lhe comunicaram as acusações e que permanecerá na prisão à espera de julgamento.

Ruiz Santamaría foi detido em 1999 na Espanha por agentes que o interceptaram com uma carga de 11 toneladas de droga, mas em dezembro de 2001, dias antes de seu julgamento, obteve a liberdade pagando uma fiança por motivos de saúde e fugiu.

Santamaría era um dos 38 acusados na "operação Temple" e a Promotoria Antidrogas espanhola pediu para ele 60 anos de prisão e uma multa de 414 milhões de euros ao considerá-lo o responsável na Espanha de uma organização de narcotraficantes colombianos dedicada ao transporte de grandes quantidades de cocaína para distribuição na Europa.

Após fugir da Espanha, o acusado esteve internado no Centro de Detenção Penitenciária de Pinheiros (São Paulo) desde o dia 2 de maio de 2008, quando foi preso por tráfico de drogas e apresentou uma identidade com o nome de Manoel Oliveira Ortiz, natural do estado de Minas Gerais.

Sua verdadeira identidade foi descoberta após a investigação das atividades ilegais de uma empresa que estava no nome de Manoel Oliveira Ortiz.

Além disso, durante um interrogatório os agentes brasileiros notaram que apesar de falar bem o português, o criminoso deixou escapar algumas palavras em espanhol, e ao perceber que havia sido descoberto admitiu que usava uma identidade falsa.

Os policiais cruzaram as informações obtidas no interrogatório com dados da Interpol e chegaram à conclusão que se tratava de Ruiz Santamaría, que na Espanha assegurou ser de nacionalidade mexicana, o que foi negado pelas autoridades do México.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.