Mundo

Texas desafia Biden ao aprovar lei que permitir prender migrantes

Autoridades locais terão o poder de deter os migrantes que não possuam a documentação necessária para entrar, e os juízes poderão expulsá-los

Migrantes tentam entar no Texas pelo México (Agence France-Presse/AFP Photo)

Migrantes tentam entar no Texas pelo México (Agence France-Presse/AFP Photo)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 19 de dezembro de 2023 às 15h08.

Última atualização em 19 de dezembro de 2023 às 15h18.

O governador do Texas, o republicano Greg Abbott, promulgou nesta segunda-feira, 18, uma lei que criminaliza os migrantes que entram de maneira irregular neste estado fronteiriço com o México e permite sua detenção, em um claro desafio ao presidente democrata Joe Biden.

A lei, que entra em vigor em março, "cria um crime por entrar ilegalmente no Texas a partir de um país estrangeiro" e prevê até 20 anos de prisão por reincidência, afirmou o governador durante a cerimônia de assinatura.

As autoridades locais terão o poder de deter os migrantes que não possuam a documentação necessária para entrar, e os juízes poderão expulsá-los.

A legislação também estabelece "uma pena mínima obrigatória de dez anos de prisão por tráfico de migrantes", acrescentou Abbott.

Na semana passada, o México qualificou a lei como "medidas de natureza política".

Nos Estados Unidos, "a aplicação das leis de imigração, o controle de fronteira e a negociação de acordos internacionais são prerrogativas exclusivas do governo federal", destacou então o Ministério das Relações Exteriores mexicano.

É muito provável que a lei desencadeie uma longa batalha legal com o governo federal, que geralmente estabelece e aplica as leis de imigração, assim como com organizações defensoras dos direitos humanos e civis.

"Essas medidas prejudiciais certamente terão um impacto negativo nas comunidades latinas em todo o estado, causando a separação de famílias e problemas com as autoridades", afirmou o Fundo Educacional da Associação Nacional de Funcionários Latinos Eleitos e Designados (Naleo) em um comunicado.

A crise migratória tem provocado fortes tensões entre republicanos e democratas, atualmente envolvidos em negociações difíceis no Congresso, onde os conservadores vincularam a aprovação de um pacote de ajuda à Ucrânia ao endurecimento da política para conter a migração.

A disputa política se intensifica à medida que as eleições presidenciais de novembro se aproximam.

O ex-presidente republicano Donald Trump, provável adversário de Biden nas próximas eleições, afirmou neste final de semana que os migrantes "contaminam o sangue" dos Estados Unidos.

"Fechamento temporário"

Tanto Abbott quanto Trump são a favor de construir um muro ao longo da fronteira com o México e de deportar em massa os migrantes, muitos deles latino-americanos que fogem da violência e da pobreza.

Os democratas também realizam repatriações aceleradas para os migrantes que evitam as "vias legais" que eles estabeleceram para entrar nos Estados Unidos.

Essas "vias legais" obrigam os migrantes a agendar uma consulta por meio de um aplicativo de celular ou a realizar os trâmites nos países por onde passam, por exemplo, aproveitando-se de permissões humanitárias e de reunificação familiar.

Apesar dessas medidas, apenas em outubro as autoridades americanas interceptaram 240.988 vezes migrantes em situação irregular na fronteira com o México, segundo dados oficiais. Foram mais de 2 milhões até o momento neste ano.

Essa afluência levou a Agência de Alfândega e Proteção de Fronteiras dos Estados Unidos (CBP) a anunciar no fim de semana o fechamento temporário a partir desta segunda-feira de dois cruzamentos ferroviários na fronteira no Texas para destinar os agentes a "processar de maneira segura" os migrantes.

A patrulha de fronteira afirma ter observado recentemente o "ressurgimento de organizações de tráfico de pessoas que transportam migrantes do México em trens de carga".

Um fechamento temporário que prejudica o comércio entre os dois vizinhos às vésperas do Natal.

Acompanhe tudo sobre:Estados Unidos (EUA)TexasImigração

Mais de Mundo

O medo da 'uberização' da prostituição em uma Paris olímpica

Biden promete "ir fundo" em investigação após demissão de diretora do Serviço Secreto

"Yes, we Kam" surge como lema da campanha de Kamala

Diretora do Serviço Secreto renuncia ao cargo depois de atentado contra Trump

Mais na Exame