Sul-africanos aceitam não fazer greve durante a Copa

Funcionários públicos entraram em acordo com o governo da África do Sul; 1,3 mi de trabalhadores pedem um aumento de 11% nos salários

Johannesburgo - Os funcionários do setor público da África do Sul e o governo chegaram a um acordo para não fazer greves durante o Mundial-2010, anunciou nesta sexta-feira um executivo do país, pondo fim a uma eventual grande dor de cabeça para os organizadores do evento.

Os sindicatos dos funcionários públicos, que representam 1,3 milhão de trabalhadores, haviam acertado na véspera a realização de greves durante o evento para fazer pressão para suas reivindicações salariais.

Mas Nkosazana Dlamini-Zuma, ministro do executivo de Jacob Zuma, chegou a um acordo com os sindicatos para que o conflito não prejudique o Mundial.

Os sindicatos pedem um aumento de seus salários de 11%, enquanto que o governo ofereceu apenas 6,5%.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.