Mundo

Starmer visita Escócia em busca de 'reinício' das relações no Reino Unido

Primeiro-ministro do Reino Unido fez neste domingo, 7, sua primeira viagem oficial, com uma visita à Escócia

Primeiro-ministro britânico: o trabalhista Keir Starmer. (HENRY NICHOLLS/AFP)

Primeiro-ministro britânico: o trabalhista Keir Starmer. (HENRY NICHOLLS/AFP)

AFP
AFP

Agência de notícias

Publicado em 7 de julho de 2024 às 17h26.

O novo primeiro-ministro britânico, o trabalhista Keir Starmer, fez neste domingo (7) sua primeira viagem oficial, com uma visita à Escócia, em busca de um "reinício imediato" das relações dentro do Reino Unido.

Starmer afirmou que sua visita tem como objetivo "estabelecer o quadro no qual podemos trabalhar melhor e com mais respeito para a Escócia".

"E isso começa hoje com o reinício imediato da abordagem do meu governo, porque uma cooperação significativa centrada no respeito será fundamental para promover mudanças em todo o nosso Reino Unido", acrescentou.

Starmer se reuniu no final da tarde em Edimburgo com seu contraparte escocês, John Swinney, do Partido Nacional Escocês (SNP, pró-independência), que substituiu Humza Yousaf no cargo em maio.

"Compartilhamos da ideia de que podemos trabalhar juntos de maneira construtiva. Discutimos questões de economia, energia", disse Starmer após a reunião, acrescentando que "agir pela Escócia é a prioridade número um" de ambos os governos.

Swinney, por sua vez, indicou que os dois conversaram sobre áreas de interesse mútuo. "Acredito que existe uma oportunidade para um trabalho colaborativo que pode fazer a diferença na vida das pessoas", declarou.

"Estou confiante de que estabelecemos as bases para um relacionamento produtivo entre nossos dois governos, baseado em um respeito renovado", concluiu.

O SNP ruiu nas eleições legislativas, retendo apenas nove deputados, em comparação aos 48 assentos obtidos nas eleições de 2019.

Se há cinco anos o partido obteve 1,2 milhão de votos, na última quinta-feira recebeu pouco mais de 700 mil.

Swinney lamentou um resultado eleitoral "muito, muito difícil e prejudicial" para o seu partido.

Este declínio acentuado em sua presença na Câmara dos Comuns é atribuído por alguns analistas ao voto útil, com muitos de seus eleitores optando pelo Partido Trabalhista, para pôr fim aos 14 anos de poder conservador.

Uma forma de trabalhar "diferente"

No sábado, em uma coletiva de imprensa, o novo primeiro-ministro britânico afirmou que quer "definir uma forma de trabalhar em todo o Reino Unido que seja diferente e melhor do que no passado e reconhecer as contribuições das nossas quatro nações".

A ex-primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, no cargo até fevereiro de 2023, havia criticado a falta de comunicação do então chefe do executivo conservador, Boris Johnson, durante a pandemia de covid-19, e lamentou que sua sucessora, Liz Truss, também não tenha se comunicado com ela no início de seu mandato.

No sistema político britânico, os governos da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm jurisdição sobre algumas áreas, como a educação, a saúde e o meio ambiente, enquanto o Executivo britânico, com sede em Londres, retém, entre outros, os poderes de defesa e política externa.

O governo trabalhista de Tony Blair (1997-2007) foi o idealizador deste sistema, mas durante o mandato dos conservadores, entre 2010 e 2024, os governos locais disseram terem sido marginalizados com frequência.

Depois da Escócia, Starmer visitará o País de Gales, governado pelo trabalhista Vaughan Gething, e a Irlanda do Norte, onde a primeira-ministra é a republicana do Sinn Féin, Michelle O'Neill.

Acompanhe tudo sobre:Reino Unido

Mais de Mundo

No México, alguns tomam precauções com o furacão Beryl, enquanto outros aproveitam a praia

Primeiro-ministro da França, de centro-direita, diz que deixará o cargo na segunda-feira

Jordan Bardella, líder da extrema direita francesa, culpa Macron por derrota nas legislativas

França: pesquisas indicam reviravolta e vitória da esquerda nas eleições legislativas

Mais na Exame