A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Serum envia primeiras vacinas do coronavírus à Covax. Brasil ainda não está na lista

A previsão do consórcio é que o Brasil receba 10,7 milhões de doses de vacinas até o final de 2021. Nesta terça-feira, o Brasil também recebeu 2 milhões de doses da AstraZeneca

O Instituto Serum da Índia, maior fabricante de vacinas do mundo, enviou nesta terça-feira o primeiro lote de vacinas contra a covid-19 para o programa mundial de imunização Covax

A Covax estabeleceu três grupos: os que receberão vacina da Pfizer, os que receberão vacina de Oxford feita pelo Serum e os que receberão vacinas via acordo direto da Covax com a AstraZeneca. O Brasil está no terceiro, e deve receber 10,7 milhões de doses da vacina de AstraZeneca/Oxford via Covax até o fim do ano, para além das doses que já tem comprado diretamente com a fabricante. 

O Covax, dirigido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a aliança GAVI, alcançou acordos com os fabricantes para 2 bilhões de doses em 2021 e tem a opção de comprar mais um bilhão.

O montante fechado pela Covax inclui 1,1 bilhão de doses do Instituto Serum, que produz as vacinas da anglo-sueca AstraZeneca e da americana Novavax.

A OMS do sudeste asiático tuitou fotos das primeiras remessas carregadas em um caminhão na fábrica do Serum em Pune, oeste da Índia.

O diretor do Serum, Adar Poonawalla, pediu no domingo que os países tenham "paciência", afirmando que recebeu instruções para priorizar o mercado interno indiano.

O objetivo da Covax é imunizar até 20% da população nos países mais pobres. Para os demais países participantes, como o Brasil (que não está na lista dos que terão vacina subsidiada), o número de doses recebidas variou a depender da quantidade comprada.

O Brasil liberou 2,5 bilhões de dólares em pagamento à Covax, que está sendo pago em parcelas, o suficiente para cerca de 10% da população.

A previsão do consórcio é que o Brasil receba 10,7 milhões de doses de vacinas até o final de 2021, 6 milhões entregues até julho. Desse grupo, só 15% das doses (1,6 milhão) chegarão até março.

Para além da Covax, o Instituto Serum já forneceu ao governo indiano e a outros países (como o Brasil) milhões de doses da vacina da AstraZeneca em acordos diretos. O Brasil recebeu 2 milhões de doses prontas da vacina da AstraZeneca em janeiro e outras 2 milhões chegaram nesta terça-feira, 23 de fevereiro.

Segundo a Fundação Oswaldo Cruz, que é parceira da AstraZeneca nos testes no Brasil e organiza a importação, outras 8 milhões de doses prontas devem ser importadas nos próximos dois meses.

Enquanto negocia as doses prontas, a Fiocruz também trabalha na fabricação interna das vacinas. O insumo necessário -- o chamado IFA -- chegou ao Brasil em fevereiro, e as primeiras doses devem ser entregues em meados de março. A meta é produzir 100,4 milhões de doses até julho com o IFA importado. Eventualmente, o objetivo é fabricar também o IFA nacionalmente.

Também nesta terça-feira, 23, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que o Instituto Butantan será capaz de produzir doses da Coronavac com IFA fabricado nacionalmente em dezembro. As doses com o IFA importado já estão sendo fabricadas desde o ano passado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também