Senado dos EUA caminha para chegar a acordo modesto sobre controle de armas

O grupo se concentrou na segurança nas escolas, no fortalecimento dos serviços de cuidado à saúde mental e em incentivos para que os estados concedam aos tribunais a capacidade de retirar temporariamente as armas de pessoas consideradas perigosas
Vendedor de armas nos Estados Unidos: projeto de lei vem após três tiroteios em cerca de um mês (Scott Olson/AFP)
Vendedor de armas nos Estados Unidos: projeto de lei vem após três tiroteios em cerca de um mês (Scott Olson/AFP)
A
AFP

Publicado em 02/06/2022 às 16:32.

Última atualização em 02/06/2022 às 16:37.

Um grupo bipartidário de senadores dos Estados Unidos deve retomar as negociações nesta quinta-feira, 2, sobre um projeto de lei de controle de armas modesto, no momento em que cresce a pressão no país para conter uma onda de violência que inclui os massacres recentes nos estados de Texas e Nova York.

LEIA TAMBÉM: EUA: Atirador invade hospital na cidade de Tulsa e deixa cinco mortos

Nove senadores se reuniram esta semana para discutir uma resposta aos ataques de atiradores que causam comoção no país, com algum otimismo sobre a possibilidade de obter reformas.

O grupo se concentrou na segurança nas escolas, no fortalecimento dos serviços de cuidado à saúde mental e em incentivos para que os estados concedam aos tribunais a capacidade de retirar temporariamente as armas de pessoas consideradas perigosas.

A republicana moderada Susan Collins disse que o grupo estava fazendo "rápidos progressos", enquanto o senador democrata Chris Murphy declarou que "nunca havia visto tantos republicanos sentados na mesa e dispostos a dialogar".

"Algo diferente está acontecendo agora mesmo e espero que isso resulte em uma lei no Senado", disse Murphy à emissora MSNBC na quarta-feira.

Os legisladores estão conscientes de que correm o risco de perder o impulso se a urgência de reformas desatada pelos massacres se dissipar, e outro grupo menor está realizando discussões paralelas sobre a ampliação da verificação de antecedentes de compradores de armas.

LEIA TAMBÉM: Atirador de Oklahoma queria matar cirurgião que operou sua coluna

LEIA TAMBÉM: Por que massacre no Texas não deve mudar lei contra armas nos EUA

O desafio político de legislar em um Senado dividido em partes iguais (50-50), onde a maioria dos projetos de lei precisa de 60 votos para a aprovação, significa que reformas de maior alcance têm poucas chances de prosperar.

Mitch McConnell, líder dos senadores republicanos, afirmou aos jornalistas que os congressistas estão se concentrando na "saúde mental e na segurança nas escolas", e não nas armas.

Por outro lado, os democratas na Câmara dos Representantes estão sim dispostos a aprovar uma lei muito mais ampla, mas em grande medida simbólica, que incluiria subir de 18 para 21 anos a idade mínima para comprar fuzis semiautomáticos.

A proposta provavelmente será aprovada na Câmara na próxima semana, antes de ser enterrada pela oposição republicana no Senado.

(AFP)

LEIA TAMBÉM:

O que se sabe sobre Salvador Ramos, autor de massacre em escola no Texas

Tiroteio em escola no Texas deixa 19 alunos mortos

Marido de professora morta no Texas morre de infarto e deixa 4 filhos

'Ele mirou em mim': os arrepiantes testemunhos dos sobreviventes no Texas