Senado americano confirma juíza indicada por Trump à Suprema Corte

Barrett foi indicada pelo presidente Donald Trump e será o terceiro magistrado indicado pelo atual presidente a compor a Corte

O Senado americano confirmou, na noite desta segunda-feira, 26, a nomeação da juíza conservadora Amy Coney Barrett para a Suprema Corte dos Estados Unidos. Barrett foi indicada pelo presidente Donald Trump e será o terceiro magistrado indicado pelo atual presidente a compor a Corte. Quer saber como as eleições americanas podem afetar seu bolso? Assine gratuitamente a EXAME Research.

Apesar de os democratas terem feito oposição feroz à nomeação da jurista conservadora, os companheiros republicanos de Trump têm uma vantagem de 53 a 47 no Senado e alcançaram votos suficientes para confirmar a nomeação. A nomeação foi aprovada por 52 a 48.

A Casa Branca planeja realizar um evento de comemoração após a aprovação, um mês depois que um evento semelhante foi relacionado a um surto de covid-19 em que o próprio Trump foi infectado.

A juíza de Chicago irá preencher a vaga deixada pela progressista Ruth Bader Ginsburg, que morreu em setembro, e sua indicação tem sido alvo de intensas discussões. No domingo, 25, senadores republicanos votaram para avançar a nomeação de Barrett para a Suprema Corte pouco mais de uma semana antes da eleição presidencial, apesar de objeções de democratas. A votação foi de 51 a 48.

Ao longo dos últimos dias, os democratas tentaram atrasar o processo, argumentando que o vencedor da eleição de 3 de novembro deveria escolher o indicado para preencher a vaga deixada por Ginsburg. Não conseguiram.

Já os republicanos estão animados com a nomeação da terceira juíza escolhida por Trump na Corte, conseguindo uma maioria conservadora de 6 a 3 pelos próximos anos. A chegada de Barrett abre a possibilidade de uma nova era de decisões sobre aborto, casamento homossexual, e o Affordable Care Act (projeto de saúde aprovado durante o governo de Barack Obama).

Quem é Amy Coney Barrett

Católica e de perfil conservador, Barrett será a juíza mais jovem da Suprema Corte, aos 48 anos — ao contrário do Brasil, o cargo na Corte máxima americana é vitalício a não ser que os juízes voluntariamente decidam renunciar.

Ela nasceu em New Orleans, no estado da Louisiana, em 1972. Atualmente, é do Tribunal de Apelações do 7º Circuito de Chicago, cargo federal para o qual foi nomeada pelo próprio Trump em 2017.

Para saber mais sobre a reta final da corrida eleitoral nos Estados Unidos, ouça o podcast EXAME Política: eleições americanas.

O podcast EXAME Política vai ao ar todas as sextas-feiras com os principais temas da eleição americana. Clique aqui para ver o canal no Spotify, ou siga em sua plataforma de áudio preferida, e não deixe de acompanhar os próximos programas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.