Secretária de Schindler, que salvou judeus do Nazismo, morre aos 107 anos

História do industrial alemão foi contada em livro e em filme ganhador do Oscar
Mimi Reinhardt, secretária de Oskar Schindler, em 2019 (GIDEON MARKOWICZ/AFP/Getty Images)
Mimi Reinhardt, secretária de Oskar Schindler, em 2019 (GIDEON MARKOWICZ/AFP/Getty Images)
Por Agência O GloboPublicado em 09/04/2022 13:28 | Última atualização em 09/04/2022 13:28Tempo de Leitura: 1 min de leitura

Morreu na última sexta-feira, aos 107 anos, em Israel, Mimi Reinhardt, secretária de Oskar Schindler, o industrial alemão que salvou milhares de judeus do regime nazista de Hitler.

Ela era encarregada de elaborar as listas de trabalhadores judeus do gueto da cidade polonesa de Cracóvia recrutados para trabalhar na fábrica de Schindler, salvando-os da deportação para os campos de concentração. Estima-se que foram salvos 1.300 judeus por causa disso.

Nascida na Áustria como Carmen Weitmann, ela era judia e foi contratada pelo próprio Schindler, com quem trabalhou até o fim da Guerra, em 1995, segundo o "Times of Israel". Quando conflito, acabou, Mimi foi morar em Nova York quando a guerra acabou e, desde 2007, morava em Tel Aviv, em Israel.

A história de Oskar Schindler foi contada em livro de Thomas Keneally, de 1982, e depois no longa de Steven Spielberg, de 1993, que ganhou sete Oscars, incluindo o de melhor filme e melhor diretor. Mimi contou chegou a encontrar Spielberg na estreia do filme, mas não conseguiu assistir todo a produção na ocasião por considerar difícil demais relembrar a história.